Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h01min, 24/01/2020.

Dólar sobe com exterior após OMC descartar 'emergência global' por coronavírus

O dólar no mercado à vista opera em alta e renovou máximas na manhã desta sexta-feira (24) enquanto o dólar para fevereiro, que é o contrato futuro mais negociado, passou a subir, após iniciar a sessão em baixa moderada. Investidores monitoram o surto de coronavírus, após declaração da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que o surto da doença, iniciado na China, ainda não é uma "emergência global". Às 9h35min desta sexta, o dólar à vista estava na máxima, aos R$ 4,1859. O dólar futuro de fevereiro também estava na máxima, aos R$ 4,1890, ante mínima em R$ 4,1675 após a abertura. 
O dólar no mercado à vista opera em alta e renovou máximas na manhã desta sexta-feira (24) enquanto o dólar para fevereiro, que é o contrato futuro mais negociado, passou a subir, após iniciar a sessão em baixa moderada. Investidores monitoram o surto de coronavírus, após declaração da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que o surto da doença, iniciado na China, ainda não é uma "emergência global". Às 9h35min desta sexta, o dólar à vista estava na máxima, aos R$ 4,1859. O dólar futuro de fevereiro também estava na máxima, aos R$ 4,1890, ante mínima em R$ 4,1675 após a abertura. 
No exterior, o índice DXY, que compara o dólar ante seis moedas fortes, avançava 0,16%, a 97.849 pontos, às 9h46min. Ante divisas emergentes, a moeda americana opera sem direção única.
O responsável pela área de renda fixa da Terra Investimentos, Marcelo Castro, considera os ajustes bem discretos, após uma semana em que o mercado ficou muito nervoso por causa da disseminação do surto de coronavírus na China e outros países e a queda de braço entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça, Sérgio Moro.
"Mas Bolsonaro descartou hoje a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas ao chegar a Nova Délhi, na Índia, para uma missão de quatro dias", destacou o profissional. "A chance no momento é zero, tá bom? Não sei amanhã, na política tudo muda, mas não há essa intenção de dividir", disse Bolsonaro. Castro avalia que já é menor o impacto de baixa sobre o dólar de um fluxo de entrada esperado relativo a emissões corporativas no exterior e ofertas de ações.
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, fica no radar. Ele participa de evento sobre política monetária em São Paulo daqui a pouco (10h).
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO