Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

energia

- Publicada em 03h00min, 23/01/2020.

RGE encontra mais de 23 mil ligações irregulares em 2019

Distribuidora realizou 113 mil inspeções; energia recuperada abasteceria 29 mil residências por um ano

Distribuidora realizou 113 mil inspeções; energia recuperada abasteceria 29 mil residências por um ano


RGE/DIVULGAÇÃO/JC
As equipes de fiscalização da RGE realizaram 113.294 inspeções em 2019 para combater fraudes e furtos de energia. Em 23.373 ligações foram detectadas irregularidades, correspondendo a 20,6% do total. A energia recuperada no ano passado, em toda a área de concessão da empresa, chega a 53.337,09 MWh, o suficiente para abastecer 29 mil residências por um ano - o equivalente a cidades como Esteio, Alegrete e Farroupilha -, levando em consideração um consumo médio de 150 KWh ao mês para cada residência.
As equipes de fiscalização da RGE realizaram 113.294 inspeções em 2019 para combater fraudes e furtos de energia. Em 23.373 ligações foram detectadas irregularidades, correspondendo a 20,6% do total. A energia recuperada no ano passado, em toda a área de concessão da empresa, chega a 53.337,09 MWh, o suficiente para abastecer 29 mil residências por um ano - o equivalente a cidades como Esteio, Alegrete e Farroupilha -, levando em consideração um consumo médio de 150 KWh ao mês para cada residência.
A prática mais comum é a ligação direta na rede para o furto de energia, prática conhecida como "gato". Em muitos locais, as equipes também identificam fraudes nos medidores. As fraudes e os furtos de energia são crimes previstos no Código Penal, e a pena pode variar de um a quatro anos de detenção. Em 2019, 70 pessoas foram presas em flagrante em operações realizadas pela RGE em parceria com a Delegacia de Repressão aos Crimes contra o Patrimônio e Serviços Delegados, da Polícia Civil, e a Brigada Militar.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO