Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 18h50min, 20/01/2020. Atualizada em 18h51min, 20/01/2020.

Dólar fecha em R$ 4,18 em dia de poucos negócios por feriado nos EUA

Em dia de poucos negócios, por causa do feriado nos Estados Unidos, o dólar voltou a subir nesta segunda-feira (20), com os investidores na expectativa pelos eventos dos próximos dias, que têm como um dos principais o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que terá a presença de Donald Trump e do ministro da Economia, Paulo Guedes. O real começou a semana com o pior desempenho ante o dólar em uma cesta de 34 divisas. No mercado à vista, a moeda americana subiu 0,58%, terminando o dia em R$ 4,1887.
Em dia de poucos negócios, por causa do feriado nos Estados Unidos, o dólar voltou a subir nesta segunda-feira (20), com os investidores na expectativa pelos eventos dos próximos dias, que têm como um dos principais o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que terá a presença de Donald Trump e do ministro da Economia, Paulo Guedes. O real começou a semana com o pior desempenho ante o dólar em uma cesta de 34 divisas. No mercado à vista, a moeda americana subiu 0,58%, terminando o dia em R$ 4,1887.
Operadores e profissionais das mesas de câmbio voltaram a falar hoje que, pelos fundamentos macroeconômicos do Brasil, não há motivos para a moeda americana estar perto dos R$ 4,20. Para os traders, o nível mais condizente seria o dólar na casa dos R$ 4,05/4,10.
Para a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, a expectativa por Davos é ver o que Paulo Guedes vai falar da agenda de reformas e da questão política. O ministro, diz ela, precisa passar ao investidor estrangeiro alguma confiança no avanço da agenda para tentar trazer de volta o capital externo, em um momento que o diferencial de juros do Brasil com o resto do mundo já está muito estreito.
A economista observa que um dos fatores que pressionaram o dólar é justamente a saída de investidores estrangeiros do Brasil. Somente na B3, o saldo de janeiro está negativo em R$ 6,579 bilhões até o último dia 16.
Operadores ressaltaram que também ecoaram no mercado de câmbio hoje declarações de Guedes durante o final de semana. O ministro repetiu o que havia dito na reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) em outubro que, com juro baixo, o Brasil terá que conviver com um dólar mais alto. A afirmação ocorre justamente em um momento que o mercado discute se vai haver novo corte de juros na reunião de fevereiro do Banco Central, observa um gestor.
Caso não haja corte de juros em fevereiro, o movimento será positivo para o real, na avaliação dos estrategistas do grupo financeiro holandês ING. "Em grande parte, as saídas de capital foram resultado de mudanças radicais na economia local na medida em que se ajustam a taxas de juros locais baixas", observa o economista-chefe para América Latina, Gustavo Rangel, em relatório. O ING vê o dólar em média em R$ 4,15 nos próximos 30 dias, R$ 4,10 nos próximos três meses e R$ 4,00 nos próximos seis meses. "O desempenho do real nas últimas semanas representa a maior frustração entre as moedas da América Latina".
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO