Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tributos

- Publicada em 03h00min, 21/01/2020.

Arrecadação chega a R$ 200 bi apenas neste ano

Maior procura por crédito auxilia no resultado

Maior procura por crédito auxilia no resultado


MARCOS SANTOS/USP IMAGENS/DIVULGAÇÃO/JC
Os governos federal, estadual e municipal terão arrecadado R$ 200 bilhões em tributos e contribuições na próxima sexta-feira, por volta de 1h40min, segundo o Impostômetro, índice da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) que calcula os valores recolhidos em impostos em todo o Brasil. No ano passado, foi preciso um dia a mais para o valor ser atingido.
Os governos federal, estadual e municipal terão arrecadado R$ 200 bilhões em tributos e contribuições na próxima sexta-feira, por volta de 1h40min, segundo o Impostômetro, índice da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) que calcula os valores recolhidos em impostos em todo o Brasil. No ano passado, foi preciso um dia a mais para o valor ser atingido.
Para o economista da ACSP, Emílio Alfieri, o aumento na arrecadação não é necessariamente uma má notícia. "O aumento na arrecadação dos impostos é algo natural se estiver relacionado ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Então, como o governo não está mudando as alíquotas, é possível ver com bons olhos essa variação positiva dos primeiros dias de 2020", explica o economista.
Segundo ele, a redução da Selic e a política do governo de estímulo para tomada de crédito à pessoa física têm ajudado a aumentar a arrecadação sem que as alíquotas subissem.
Alfieri ainda pondera que o governo deve "conter os ânimos" com relação ao aumento da arrecadação via tributos para reduzir o déficit primário, que deve ser de R$ 110 bilhões em 2020, segundo estimativas do Ministério da Economia. "Não há espaço para elevar os impostos, ou criar novas taxas, sem que isso afete o crescimento econômico", alerta. Para o economista, reduzir os gastos públicos é uma alternativa melhor para lidar com o déficit.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO