Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de janeiro de 2020.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Edição impressa de 21/01/2020. Alterada em 21/01 às 03h00min

Entidades cobram do Google fim de apps pré-instalados

Um grupo de mais de 50 organizações enviou uma carta ao diretor-executivo do conglomerado Alphabet, Sundar Pichai, cobrando o fim da pré-instalação de aplicativos em smartphones com o sistema operacional Android. O objetivo é evitar vulnerabilidades que afetem a privacidade e proporcionar aos usuários maior poder de escolha.
Um grupo de mais de 50 organizações enviou uma carta ao diretor-executivo do conglomerado Alphabet, Sundar Pichai, cobrando o fim da pré-instalação de aplicativos em smartphones com o sistema operacional Android. O objetivo é evitar vulnerabilidades que afetem a privacidade e proporcionar aos usuários maior poder de escolha.
Alphabet é o nome do grupo criado em 2015 com a ampliação do Google. Além do mecanismo de busca, o grupo reúne o Android, maior sistema operacional do planeta; o YouTube, maior plataforma de vídeo do mundo; linhas de aparelhos (como laptops e smartphones) e subsidiárias desenvolvendo soluções diversas (de carros autônomos a produtos na área de saúde). O comunicado aponta que fabricantes de dispositivos com o sistema operacional Android estão instalando apps que não podem ser deletados. Embora os aparelhos carreguem um selo de proteção, o Google Play Protect, 91% dos programas pré-instalados não são disponibilizados na loja de aplicativos da empresa, a Play Store.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia