Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Edição impressa de 16/01/2020. Alterada em 16/01 às 03h00min

Opep prevê maior demanda global por petróleo

Uma melhora da perspectiva econômica vai levar à aceleração do avanço na demanda por petróleo em 2020, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Uma melhora da perspectiva econômica vai levar à aceleração do avanço na demanda por petróleo em 2020, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Em relatório mensal divulgado nesta quarta-feira, a Opep elevou sua projeção de crescimento na demanda por petróleo neste ano em 140 mil barris por dia (bpd), para 1,22 milhão de bpd, ao mesmo tempo em que ajustou ligeiramente para cima sua previsão de expansão da economia mundial, de 3% para 3,1%.
A revisão para a demanda "reflete, principalmente, uma perspectiva econômica melhor para 2020", sendo que países em desenvolvimento - principalmente China e Índia - deverão ser responsáveis pela maior parte do desempenho mais forte, explica a Opep.
O relatório da Opep vem um mês depois de o grupo e 10 aliados, incluindo a Rússia, decidirem aprofundar os cortes em sua produção combinada em 500 mil bpd, para cerca de 1,7 milhão de bpd, até o fim de março.
No documento, a Opep também ampliou sua previsão para a oferta de petróleo fora do grupo neste ano em 180 mil bpd, para 2,35 milhões de bpd, graças a revisões para cima nas estimativas para Noruega, México e Guiana.
Apesar de a produção americana ter sido revisada para baixo, a Opep disse esperar que os EUA - junto com outros países de fora da Opep, como Brasil, Canadá, Noruega e Guiana - liderem o crescimento da demanda neste ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia