Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 15/01 às 10h16min

Dólar opera em alta com foco no exterior e em indicadores nacionais

O dólar opera em alta na manhã desta quarta-feira (15) alinhado à tendência de leve apreciação da moeda americana que prevalece entre moedas de países emergentes e exportadores de commodities. Além disso, dados fracos do setor varejista divulgados mais cedo reforçaram as apostas de novo corte da taxa Selic, o que acabou por exercer pressão extra sobre o câmbio, devido à perda de atratividade do real.
O dólar opera em alta na manhã desta quarta-feira (15) alinhado à tendência de leve apreciação da moeda americana que prevalece entre moedas de países emergentes e exportadores de commodities. Além disso, dados fracos do setor varejista divulgados mais cedo reforçaram as apostas de novo corte da taxa Selic, o que acabou por exercer pressão extra sobre o câmbio, devido à perda de atratividade do real.
O dado divulgado pelo IBGE, mais fraco que o esperado, dá fôlego à parcela do mercado que aposta em corte de 0,25 ponto porcentual na taxa Selic na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de fevereiro. Na semana passada, a queda de 1,2% na atividade industrial de novembro também alimentou essas apostas, o que chegou a gerar pressão de alta no dólar.
Às 9h58min, o dólar à vista era negociado a R$ 4,1445, em alta de 0,38%. No mercado futuro, a divisa para liquidação em fevereiro avançava 0,27%, para R$ 4,1475.
O mercado internacional opera em compasso de espera pela assinatura do acordo comercial inicial entre Estados Unidos e China, marcado para ocorrer às 13h30min. Nesse ambiente, os ativos seguem em direções distintas. O índice DXY, que mede a variação do dólar ante uma cesta de seis moedas fortes, operava em queda no horário acima, com investidores de olho na manutenção de tarifas impostas pelos EUA à China.
Havia a expectativa de que as tarifas pudessem ser suspensas com o acordo comercial entre as partes, que será assinado nesta quarta-feira. Entre moedas emergentes e de países exportadores de commodities, o dólar registra pequenas oscilações.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia