Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Edição impressa de 15/01/2020. Alterada em 15/01 às 03h00min

Desemprego deve recuar com mais vagas formais

Taxa deve cair para 11% até o fim de 2021

Taxa deve cair para 11% até o fim de 2021


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Estudo inédito divulgado pelo Itaú-Unibanco mostra que o Brasil vive hoje um processo de aceleração na abertura de vagas com carteira assinada e, ao mesmo tempo, de desaceleração na criação de empregos informais. A substituição de postos informais pelo trabalho com carteira explica, segundo a instituição, a queda lenta do desemprego, que considera as duas formas de contratação.
Estudo inédito divulgado pelo Itaú-Unibanco mostra que o Brasil vive hoje um processo de aceleração na abertura de vagas com carteira assinada e, ao mesmo tempo, de desaceleração na criação de empregos informais. A substituição de postos informais pelo trabalho com carteira explica, segundo a instituição, a queda lenta do desemprego, que considera as duas formas de contratação.
O banco estima que a taxa de desemprego deve passar de cerca de 12% no final de 2019 para 11% em 2021. Nesse período de dois anos, espera-se a criação de 1,9 milhão de vagas formais e metade disso (950 mil) em vagas informais.
Nos últimos três anos, período marcado pelo fraco crescimento da economia, foram criadas 1 milhão de vagas com carteira e 3,4 milhões de empregos informais, segundo dados verificados e estimativas do Itaú para 2019, cujos dados ainda não estão fechados.
Os dados do mercado de trabalho do Ministério da Economia e do IBGE já mostram essa mudança desde agosto do ano passado, quando a economia voltou a crescer em ritmo mais forte, e a tendência é de que isso se repita neste e no próximo ano, segundo o Itaú.
O economista Luka Barbosa, responsável pelo estudo, diz que essa substituição é um processo que tem sido verificado historicamente em momentos de aceleração do crescimento da economia.
Ele afirma ainda que a recuperação do emprego formal ajuda a confirmar que economia está realmente mudando de patamar de crescimento. Os dados do emprego formal medidos pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia, têm peso relevante no indicador de nível de atividade do Itaú.
"A queda lenta do desemprego não deveria ser vista como um sinal de economia fraca, muito pelo contrário. O comportamento do emprego formal ajuda a entender que a economia está crescendo de fato. É um sinal importante para a gente de que a economia está acelerando", afirma.
O histórico do mercado de trabalho mostra correlação negativa entre empregos formais e informais. O trabalho sem registro cai quando a atividade econômica avança. A criação de empregos formais, por outro lado, acelera.
O estudo mostra que a queda do desemprego em taxas anuais significativas, como ocorreu no período de 2004 a 2010, se deu em anos de crescimento acima de 5%. A projeção do Itaú é uma expansão de 2,2% em 2020 e 3% em 2021.
A melhora da composição do emprego contribui para uma aceleração do PIB potencial, e os ganhos de produtividade com a formalização devem gerar aumentos do salário real sem pressões inflacionárias imediatas.
"A queda lenta da taxa de desemprego esconde uma grande melhora no mercado de trabalho em termos de composição. Se uma pessoa saiu do emprego informal e veio para o emprego formal, a vida dela melhorou, houve aumento da renda. É uma queda no emprego de pior qualidade", completa Barbosa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia