Porto Alegre, domingo, 27 de setembro de 2020.
Dia Mundial do Turismo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 21h17min, 14/01/2020.

Alta no preço da carne reduz consumo no Rio Grande do Sul

Redução dos preços não chegou no varejo e movimento caiu

Redução dos preços não chegou no varejo e movimento caiu


NÍCOLAS CHIDEM/JC
Adriana Lampert
O consumo de carne vermelha caiu 20% nos supermercados do Estado no início de 2020, mas, ainda assim, os preços da carne bovina - que tiveram alta de mais de 30% no início de dezembro - se mantêm estáveis. Em alguns açougues da Capital, a queda da demanda chegou a gerar um recuo nos valores cobrados em cortes de todos os tipos e gêneros. No entanto, a iniciativa é pontual. A grande maioria das empresas não pretende baixar o preço.
O consumo de carne vermelha caiu 20% nos supermercados do Estado no início de 2020, mas, ainda assim, os preços da carne bovina - que tiveram alta de mais de 30% no início de dezembro - se mantêm estáveis. Em alguns açougues da Capital, a queda da demanda chegou a gerar um recuo nos valores cobrados em cortes de todos os tipos e gêneros. No entanto, a iniciativa é pontual. A grande maioria das empresas não pretende baixar o preço.
"Os consumidores estão comprando mais carne de dianteiro (carne de segunda), porque é mais barata", comenta o diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Carnes do Rio Grande do Sul (Sicadergs), Zilmar Moussalle. O dirigente destaca que cortes como costela e traseiro estão parados nos frigoríficos. "A solução tem sido desossar e congelar, porque baixar o preço desses cortes significa abrir mão do lucro."
Enquanto a indústria estoca com o objetivo de esperar um melhor momento para comercializar a carne, boa parte dos 386 pontos de abate bovino no Estado estão valorizando a parte dianteira na venda. "A carne de segunda é a que está mais cara, enquanto deveria ser mais barata", comenta o sócio-proprietário da Casa de Carnes Santo Ângelo, Rafael Sartori. Localizado no Mercado Público da Capital, o estabelecimento viu minguar a comercialização do produto que tradicionalmente integra o "rancho" das famílias gaúchas. "Esse está sendo o pior janeiro dos últimos cinco anos em questão de venda de volume de carne", admite Sartori. O aumento dos preços na primeira semana de janeiro provocou uma queda em torno de 20% na procura, segundo o empresário.
Também caíram os abates. De acordo com o diretor-executivo do Sicadergs, na última semana de 2019, a oferta caiu em 40% no Estado, devido à falta de saída nas prateleiras dos supermercados. De uma média de 47 mil animais por semana, pouco mais de 26 mil foram abatidos, segundo Moussalle. "Na semana passada, o abate também foi menor em 18%: matou-se 39,6 mil bois neste período", calcula.
O dirigente pondera que, atualmente, "a oferta está muito boa", o que indica que "é possível que o preço da carne caia no decorrer dos próximos dias". Já a assessoria de imprensa da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) informa que, em vista de "boa parte da carne vendida e consumida" nos estabelecimentos do setor vir "de fora" (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, entre outros estados), o preço nas gôndolas deve se manter estável.
Moussalle enumera outros motivos, além do preço, para o consumidor comprar menos carne: os gastos com IPTU e IPVA, típicos do início do ano, e gastos com escolas. Segundo, o consumo irá cair ainda mais se o preço no varejo não baixar.
Fora dos supermercados, a maioria dos açougues está amargando movimento fraco. "Este ano está demais", reclama a atendente da Casa de Carnes São Jorge, Marta Grigollo. Localizado no bairro Bom Fim, em Porto Alegre, o açougue já registra uma queda de 50% das vendas desde a metade de novembro do ano passado. "A saída está muito devagar, para todo tipo de carne bovina, e olha que baixamos um pouco os preços."

Gaúchos estão comendo menos churrasco

Cultuada pelos amantes do churrasco, a costela de boi também tem sido pouco procurada, por conta da elevação no preço. "Estagnou. O pessoal não compra mais carne de churrasco faz um tempo", afirma o sócio-proprietário da Casa de Carnes Santo Ângelo, Rafael Sartori.

Por outro lado, há quem consiga manter o movimento. "Verão é a época de maior procura de cortes para churrasco. Aqui, a carne está saindo, e o consumo não diminuiu, apesar do movimento estar fraco", revela o gerente do Açougue San Remo, Ceomar Maidana. "Nosso açougue vende o dobro dos demais aqui no Mercado Público", afirma.

Conforme levantamento de preços feito junto aos açougues citados na matéria, a média de preço do quilo da carne de segunda, como paleta e agulha, está em R$ 19,00 e R$ 15,00 respectivamente. Considerando os valores médios oferecidos para cortes de primeira, como coxão mole
(R$ 33,00), alcatra (R$ 39,00), patinho (R$ 33,00) e coxão de fora (R$ 32,00); ou cortes para churrasco - a exemplo de costela
(R$ 22,00), picanha (R$ 48,00), maminha (R$ 39,00) e ripa
(R$ 29,00), é possível entender porque a carne de segunda passou a liderar a lista das mais procuradas entre os gaúchos, apesar de "não ser o produto da temporada".

Segundo o diretor-executivo do Sicadergs, Zilmar Moussalle, os produtores também alegam alta dos custos (em torno de 8,5%) - na prática, o valor da carcaça aumentou em 36,36%. "De R$ 11,00 passou para R$ 15,00 o quilo. A verdade é que a China balizou outros mercados, e todo o valor está sendo repassado para a carne bovina", avalia. 

Carne pesou mais no orçamento de famílias pobres

Por causa da alta das carnes, a inflação das famílias mais pobres foi de 1,19% em dezembro, contra 0,99% para as famílias de maior poder aquisitivo, mostra o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Com isso, enquanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador de preços calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), fechou 2019 em 4,31%, a inflação para os mais pobres ficou em 4,43% no ano passado e a dos mais ricos, em 4,16%.

O indicador decompõe o IPCA por faixas de renda. A faixa mais pobre tem renda domiciliar abaixo de R$ 900,00 mensais por família. A faixa mais rica tem renda domiciliar acima de R$ 9 mil mensais.

Em dezembro, as carnes e os combustíveis foram os vilões da inflação. Por isso, segundo o Ipea, "o aumento de 4,69% nos preços dos alimentos no domicílio foi o principal responsável pelo incremento inflacionário das famílias mais pobres", enquanto a alta de 1,54% do grupo transportes foi o principal foco de pressão sobre a inflação das famílias mais ricas.

"Por ser o grupo com maior peso na cesta de consumo das famílias mais pobres, a alta do grupo alimentação e bebidas contribuiu com 1,16 ponto percentual (p.p.) para a inflação desse segmento da população, com destaque negativo para os reajustes de cereais (5,73%), carnes (18,1%) e aves e ovos (4,48%)."

Embora os ricos também tenham enfrentado a alta dos alimentos, o peso desses itens na cesta de consumo dessas famílias é menor.

Comentários CORRIGIR TEXTO