Porto Alegre, domingo, 27 de setembro de 2020.
Dia Mundial do Turismo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

indústria

- Publicada em 03h00min, 15/01/2020.

Calçadistas projetam alta de até 2,5% para 2020

Mercado interno absorve 85% da produção

Mercado interno absorve 85% da produção


MIGUEL RIOPA/AFP/JC
Durante a Couromoda, que ocorre em São Paulo, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) informou que existe um "otimismo moderado" para 2020, segundo o presidente do Conselho Deliberativo da entidade, Caetano Bianco Neto, e o presidente-executivo, Haroldo Ferreira.
Durante a Couromoda, que ocorre em São Paulo, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) informou que existe um "otimismo moderado" para 2020, segundo o presidente do Conselho Deliberativo da entidade, Caetano Bianco Neto, e o presidente-executivo, Haroldo Ferreira.
Segundo Bianco Neto, existe um "otimismo moderado" para 2020. "Em 2019, tínhamos expectativas muito positivas, mas o atraso de reformas estruturais importantes, caso da Previdência, acabou frustrando um pouco. O fato é que, para não ter que rever a estimativa de crescimento, ainda mais para baixo, estamos sendo um pouco mais conservadores nas projeções", informou Bianco Neto.
No início de 2019, a meta de crescimento chegava a 3,4%, número que foi revisto para entre 1,1% e 1,8% no último trimestre do ano. "Não foi um ano ruim, mas poderia ter sido melhor. O certo é que parou de piorar", afirmou, ressaltando que a confiança, tanto do mercado quanto do consumidor, segue em elevação com o novo momento econômico brasileiro.
Para 2020, o setor calçadista espera crescer entre 2% e 2,5%. Porém, diferentemente do ano passado, esse número deve ser puxado pelo desempenho no mercado interno, que absorve 85% da produção de calçados (de mais de 950 milhões de pares por ano). Já no mercado externo, a percepção é de que Estados Unidos e China estão "se acertando" e que o setor de calçados deve retornar aos patamares anteriores de embarques para o país norte-americano, historicamente o principal destino do produto brasileiro no exterior.
Por outro lado, a Argentina editou um decreto, no dia 10 de janeiro, que alterou o prazo das licenças não automáticas para importação de uma série de produtos brasileiros, entre eles, calçados.
Comentários CORRIGIR TEXTO