Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 14/01 às 12h22min

Governo federal projeta PIB mais forte para 2019 e 2020

Projeções servem de base para as avaliações do andamento da política fiscal

Projeções servem de base para as avaliações do andamento da política fiscal


FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
O Ministério da Economia revisou para cima as projeções do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019 e 2020. As estimativas foram divulgadas nesta terça-feira (14) pela Secretaria de Política Econômica.
O Ministério da Economia revisou para cima as projeções do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019 e 2020. As estimativas foram divulgadas nesta terça-feira (14) pela Secretaria de Política Econômica.
A expectativa para o avanço da atividade econômica em 2019, que estava em 0,9%, em boletim divulgado em novembro, avançou para 1,12%. O dado fechado do ano passado ainda não foi divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
Para 2020, o Ministério da Economia espera um avanço do PIB de 2,40%, ante projeção anterior de 2,32%.
As projeções econômicas servem de base para as avaliações do andamento da política fiscal. Com uma expectativa melhor para a atividade, por exemplo, a equipe econômica deve ampliar as estimativas de arrecadação de impostos.
Esses cenários são levados em conta nas avaliações bimestrais que servem de base para que o governo decida se precisa cortar ou não verbas de ministérios.
"Os indicadores de emprego e atividade têm apresentado um cenário consistente para a retomada da economia em 2020", diz o relatório da secretaria.
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia