Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/01 às 10h31min

Dólar segue tendência externa e avança ante o real

O dólar confirmou a tendência sinalizada pelo mercado internacional e abriu em alta nesta terça-feira (14) chegando a atingir máximas no patamar dos R$ 4,16 nos mercados à vista e futuro. O destaque na última hora ficou por conta do dado de volume de serviços em novembro, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O dólar confirmou a tendência sinalizada pelo mercado internacional e abriu em alta nesta terça-feira (14) chegando a atingir máximas no patamar dos R$ 4,16 nos mercados à vista e futuro. O destaque na última hora ficou por conta do dado de volume de serviços em novembro, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Segundo o IBGE, o volume de serviços prestados ficou praticamente estável ante outubro, com baixa de 0,1%. Na comparação com novembro do ano anterior, houve alta de 1,8%.
Às 10h13min desta terça, o dólar subia 0,13%, aos R$ 4,1460 no mercado à vista. No mercado futuro, o dólar para fevereiro operava em alta de 0,10%, aos R$ 4,1560. No exterior, o dólar ganha fôlego ante moedas fortes e emergentes, com a expectativa otimista em torno da assinatura da fase preliminar do acordo comercial entre Estados Unidos e China, prevista para ocorrer na quarta-feira (15).
O IBGE também divulgou informações sobre a produção industrial regional, que recuou em 11 dos 15 locais pesquisados na passagem de outubro para novembro. Em São Paulo, maior parque industrial do País, houve uma redução de 2,6%. Na semana passada, o instituto divulgou queda de 1,2% na produção industrial nacional, dado que ficou bem aquém das estimativas (-0,50%).
Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que deve existir uma "brecha" para aumentar o salário mínimo e garantir a recomposição da inflação do ano passado. Ele afirmou que a ideia é garantir o aumento e que o assunto será decidido em reunião às 14h desta terça com o ministro da Economia, Paulo Guedes.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia