Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 13/01 às 17h28min

Investimentos no país recuaram 1% em novembro, diz Ipea

Investimentos recuaram 1% em novembro do ano passado em relação ao mês anterior no Brasil, de acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).
Investimentos recuaram 1% em novembro do ano passado em relação ao mês anterior no Brasil, de acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).
O recuo foi verificado no chamado Indicador Ipea Mensal de FBCF (Formação Bruta de Capital Fixo), que mede os investimentos em aumento da capacidade produtiva da economia e na reposição da depreciação do seu estoque de capital fixo.
A comparação refere-se aos números dessazonalizados, ou seja, excluindo-se a influência de determinados fatores de épocas do ano na economia. Com isso, é possível comparar os resultados obtidos em meses distintos.
O recuo foi menor do que o observado de setembro para outubro de 2019, na série com ajuste sazonal, quando houve redução de 2,2% no FBCF. O índice é calculado pelo investimento feito em três segmentos: máquinas e equipamentos, construção civil e outros ativos fixos.
De outubro para novembro, a queda no indicador foi puxada pela redução de 4% nos investimentos de máquinas e equipamentos. Na construção civil, houve avanço de 0,5% e, no segmento outros ativos fixos, de 0,4%.
Na comparação com novembro de 2018, o FBCF registrou retração de 1,8%. Em relação ao ano anterior, a construção civil avançou 0,6% e os outros ativos fixos tiveram alta de 3,9%. Máquinas e equipamentos tiveram queda de 6,7%.
No acumulado em 12 meses, os investimentos desaceleraram, com a taxa de crescimento passando de 2,6% até outubro para 2,1% até novembro.
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia