Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 11 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

11/01/2020 - 17h51min. Alterada em 11/01 às 18h09min

Reguladores podem aplicar nova multa de US$ 5,4 milhões à Boeing

Peças de asa 'fora dos padrões' em alguns jatos 737 Max são motivo para punição

Peças de asa 'fora dos padrões' em alguns jatos 737 Max são motivo para punição


Ben STANSALL / AFP/JC
Os reguladores dos Estados Unidos anunciaram que podem aplicar uma multa de US$ 5,4 milhões à Boeing, por supostamente instalar peças de asa "fora dos padrões" em alguns jatos 737 Max e depois apresentar os aviões prontos para a certificação.
Os reguladores dos Estados Unidos anunciaram que podem aplicar uma multa de US$ 5,4 milhões à Boeing, por supostamente instalar peças de asa "fora dos padrões" em alguns jatos 737 Max e depois apresentar os aviões prontos para a certificação.
A penalidade civil seria adicional a uma multa de US$ 3,9 milhões aplicada contra a Boeing em dezembro por supostamente instalar os mesmos componentes em 133 dos jatos 737 Next Generation da empresa, informou a Federal Aviation Administration. As peças em questão são faixas de ripas localizadas na borda das asas 737 usadas para guiar o movimento de painéis.
De acordo com a FAA, "a Boeing falhou em supervisionar adequadamente seus fornecedores para garantir a conformidade com o sistema de garantia de qualidade da empresa", e a falha "resultou na instalação de faixas de ripas que foram enfraquecidas por uma condição conhecida como fragilização por hidrogênio".
A Boeing então submeteu os jatos para a certificação final após determinar que as peças não poderiam ser usadas porque haviam falhado em um teste de força, informou a FAA.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia