Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

10/01/2020 - 10h26min. Alterada em 10/01 às 10h26min

Dólar opera em baixa enquanto mercados aguardam relatório de empregos dos EUA

O dólar oscila em baixa nos negócios da manhã desta sexta-feira (10) em sintonia com a tendência predominante da moeda americana ante divisas emergentes. O clima é de tranquilidade nos negócios do mercado internacional, onde a principal expectativa de curto prazo é pela divulgação do relatório norte-americano de empregos "payroll" de dezembro, às 10h30min (de Brasília), que mostrará dados do mercado de trabalho americano em dezembro.
O dólar oscila em baixa nos negócios da manhã desta sexta-feira (10) em sintonia com a tendência predominante da moeda americana ante divisas emergentes. O clima é de tranquilidade nos negócios do mercado internacional, onde a principal expectativa de curto prazo é pela divulgação do relatório norte-americano de empregos "payroll" de dezembro, às 10h30min (de Brasília), que mostrará dados do mercado de trabalho americano em dezembro.
Por aqui, destaque para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro, que apontou inflação de 1,15%.
A alta de 1,15% em dezembro foi o maior resultado para o mês desde 2002, quando a taxa avançou 2,10%, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considerando todos os meses, o IPCA de dezembro foi o mais elevado desde junho de 2018, quando a greve de caminhoneiros levou o índice a um avanço de 1,26%.
Com o resultado, a taxa acumulada pelo IPCA em 12 meses acelerou de 3,27% em novembro para 4,31% em dezembro, acima do centro da meta de 4,25% perseguida pelo Banco Central este ano. O IPCA de 2019 foi o maior desde 2016, quando a inflação foi de 6,29%. O movimento ocorre em meio à redução de tensões com o Oriente Médio e a expectativa pela assinatura do acordo inicial sino-americano na próxima semana, o que tem garantido apetite por risco nos últimos dias.
À 10h05min, o Dollar Index (DXY), que mede a variação do dólar ante uma cesta de moedas de países fortes, tinha alta de 0,05%. Entre divisas emergentes, o viés predominante é de baixa. Ante o real, a moeda americana recuava 0,29%, aos R$ 4,0735, no mercado à vista. No mercado futuro, o dólar para liquidação em fevereiro recuava 0,50%, aos R$ 4,0785.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia