Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

serviços

07/01/2020 - 11h07min. Alterada em 07/01 às 11h07min

Bolsonaro diz que pretende privatizar Correios, mas reconhece dificuldade

Presidente diz que não tem como garantir que conseguirá viabilizar venda até o final do mandato

Presidente diz que não tem como garantir que conseguirá viabilizar venda até o final do mandato


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
O presidente da República, Jair Bolsonaro, reconheceu que enfrenta dificuldades para privatizar os Correios e outras empresas públicas. "Não são fáceis as privatizações. Até o próprio Correio que a gente quer privatizar, mas tem dificuldade", disse.
O presidente da República, Jair Bolsonaro, reconheceu que enfrenta dificuldades para privatizar os Correios e outras empresas públicas. "Não são fáceis as privatizações. Até o próprio Correio que a gente quer privatizar, mas tem dificuldade", disse.
Ele também afirmou que não tem como garantir que conseguirá viabilizar a venda da estatal até o final do seu mandato.
"Se eu pudesse privatizar (os Correios) hoje, privatizaria. Mas não posso prejudicar o servidor dos Correios", disse o presidente na manhã desta terça-feira (7), ao sair do Palácio da Alvorada.
Bolsonaro lembrou decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determina que a venda de empresas-mães precisam passar pelo Legislativo e outras questões que encara como empecilhos para dar sequência às privatizações, entre elas o controle do Tribunal de Contas da União (TCU).
"E aí você mexe com centenas, milhares, dezenas de milhares de servidores, é um passivo grande. Tem que buscar solução para tudo isso. Não dá para jogar os caras para cima, eles têm que ter suas garantias, além de que tem que ter um comprador para aquilo, tem o Tribunal de Contas da União com lupa em cima de você. Não são fáceis as privatizações", declarou o presidente da República.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia