Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

emprego

Edição impressa de 07/01/2020. Alterada em 07/01 às 03h00min

Governo quer alterar normas de segurança do trabalho

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse nesta segunda-feira (6), por meio do Twitter, que o governo está trabalhando para alterar as Normas Regulamentadoras (NRs), dispositivos legais criados em 1978 e que estabelecem normas de segurança e medicina do trabalho para empresas com funcionários cujos contratos sejam regidos pela Consolidação das Lei Trabalhistas (CLT). No tuíte, Bolsonaro escreveu que as NRs "infernizam a vida dos empresários, comerciantes, empreendedores, etc".

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse nesta segunda-feira (6), por meio do Twitter, que o governo está trabalhando para alterar as Normas Regulamentadoras (NRs), dispositivos legais criados em 1978 e que estabelecem normas de segurança e medicina do trabalho para empresas com funcionários cujos contratos sejam regidos pela Consolidação das Lei Trabalhistas (CLT). No tuíte, Bolsonaro escreveu que as NRs "infernizam a vida dos empresários, comerciantes, empreendedores, etc".

Em maio, o presidente já havia dito que reduziria as NRs em 90%. "Numa delas, já alterada por nós, existiam 41 itens para aplicar multas somente em banheiros das empresas (hoje são 4 apenas)", explicou. Segundo Bolsonaro, o alvo é eliminar "mais de 3.000 tipos de multas" estabelecidas pelas NRs até dezembro de 2020.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia