Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de janeiro de 2020.
Dia de Reis.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

06/01/2020 - 09h59min. Alterada em 06/01 às 10h03min

Economistas projetam redução da inflação para 2020

Previsão do IPCA para 2020 ficou em 3,6%

Previsão do IPCA para 2020 ficou em 3,6%


GILMAR LUÍS/arquivo/JC
Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - para 2020. O Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (6) pelo Banco Central (BC). A projeção para o índice em 2020 cedeu de 3,61% para 3,60%. Quatro semanas atrás, estava em 3,60%.
Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - para 2020. O Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (6) pelo Banco Central (BC). A projeção para o índice em 2020 cedeu de 3,61% para 3,60%. Quatro semanas atrás, estava em 3,60%.
O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2021, que seguiu em 3,75%. No caso de 2022, a expectativa permaneceu em 3,50%. A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2019, de 4,25%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%). Para 2020, a meta é de 4%, com margem de 1,5 ponto (de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). Já a meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%).
No início de dezembro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA subiu 0,51% em novembro. No ano, a taxa acumulada é de 3,12% e, em 12 meses até novembro, de 3,27%. No dia 10 de janeiro, o IBGE divulgará o IPCA acumulado de 2019.
Também em dezembro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC atualizou suas projeções para a inflação. Considerando o cenário de mercado, a projeção para o IPCA em 2019 está em 4,0%. No caso de 2020, está em 3,5% e, para 2021, em 3,4%.
A projeção mediana para o IPCA de 2019 atualizada com base nos últimos 5 dias úteis foi de 4,17% para 4,20%. Houve 47 respostas para esta projeção no período. Há um mês, o porcentual calculado estava em 3,86%. No caso de 2020, a projeção do IPCA dos últimos 5 dias úteis foi de 3,60% para 3,59%. Há um mês, estava em 3,61%. A atualização no Focus foi feita por 46 instituições.
Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA em dezembro de 2019, de alta de 0,90% para 0,98%. Um mês antes, o porcentual projetado indicava inflação de 0,70%.
Para janeiro, a projeção no Focus foi de alta de 0,38% para 0,39% e, para fevereiro, foi de alta de 0,42% para 0,41%. Há um mês, os porcentuais de alta eram de 0,40% e 0,42%, respectivamente. No Focus divulgado nesta segunda-feira, a inflação suavizada para os próximos 12 meses foi de 3,77% para 3,69% de uma semana para outra - há um mês, estava em 3,90%.
O Relatório de Mercado Focus indicou, ainda, alteração na projeção para os preços administrados em 2019 e 2020. A mediana das previsões do mercado financeiro para o indicador no ano passado foi de alta de 5,16% para 5,20%. Para 2020, a mediana passou de alta de 3,88% para 4,00%.
No caso de 2021, a projeção de alta dos preços administrados permaneceu em 4,00%. As projeções atuais do BC para os preços administrados, no cenário de mercado, indicam elevações de 5,10% em 2019 e 3,69% em 2020. Estes porcentuais foram atualizados na ata do último encontro do Copom.
O relatório do Banco Central, mostrou, por fim, que a mediana das projeções do IGP-M de 2020 passou de 4,18% para 4,24%. Há um mês, estava em 4,14%. No caso de 2021, o IGP-M projetado seguiu em alta de 4,00%, igual a quatro semanas antes. Calculados pela Fundação Getulio Vargas (FGV), os Índices Gerais de Preços (IGPs) são bastante afetados pelo desempenho do câmbio e pelos produtos de atacado, em especial os agrícolas.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia