Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Alterada em 27/12 às 16h46min

Vendas nos supermercados crescem 6,39% em novembro na comparação anual

Em relação a outubro, as vendas foram 5,82% maiores

Em relação a outubro, as vendas foram 5,82% maiores


MARCO QUINTANA/JC
Os supermercados brasileiros tiveram vendas 6,39% maiores em novembro na comparação com o mesmo mês de 2018, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em relação a outubro, as vendas foram 5,82% maiores. Já no acumulado do ano até novembro, houve crescimento real de 3,76% nas vendas na comparação com o mesmo período do ano passado.
Os supermercados brasileiros tiveram vendas 6,39% maiores em novembro na comparação com o mesmo mês de 2018, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em relação a outubro, as vendas foram 5,82% maiores. Já no acumulado do ano até novembro, houve crescimento real de 3,76% nas vendas na comparação com o mesmo período do ano passado.
Em nota, o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, afirma que as vendas de novembro foram impactadas de forma positiva pela Black Friday, mas que desde agosto o resultado tem sido superior às projeções. Com os resultados de dezembro, mês das festas de final de ano, a expectativa é de que a meta de crescimento de 3% no ano seja superada. O número será divulgado em fevereiro.
Preços
De acordo com a Abras, a cesta dos 35 produtos mais consumidos no autosserviço dos supermercados subiu 2,38% em novembro em relação ao mês anterior e 4,70% no período de 12 meses. O produto que teve a maior alta foi o corte traseiro de carne, com alta de 15,42% em relação a outubro, seguido pelos cortes dianteiros, que tiveram alta de 8,24%. Entre as baixas, destaca-se o tomate, que caiu 15,62% entre outubro e novembro.
Na comparação mensal, a Região Norte teve a maior variação no preço dos produtos pesquisados, de 3,92%, seguida pelo Centro-Oeste, com aumento de 3,38%. A menor alta foi no Nordeste, de 0,32%.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia