Porto Alegre, quinta-feira, 23 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aviação

- Publicada em 19h00min, 19/12/2019. Atualizada em 19h00min, 19/12/2019.

Embraer demite cem funcionários, diz sindicato

Parte dos funcionários não quis se mudar para Gavião Peixoto, onde a fabricante mantém uma de suas unidades

Parte dos funcionários não quis se mudar para Gavião Peixoto, onde a fabricante mantém uma de suas unidades


EMBRAER/DIVULGAÇÃO/JC
Cerca de cem funcionários da Embraer foram demitidos na quarta-feira (18) segundo informações do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP). Parte deles não se dispôs a se mudar para Gavião Peixoto (a 315 quilômetros de São Paulo), cidade em que a fabricante brasileira de aviões manterá uma de suas fábricas. A maior unidade da empresa, em São José dos Campos, será transferida para a Boeing assim que for concluída a venda de 80% da divisão de aviões comerciais da Embraer para a americana.
Cerca de cem funcionários da Embraer foram demitidos na quarta-feira (18) segundo informações do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP). Parte deles não se dispôs a se mudar para Gavião Peixoto (a 315 quilômetros de São Paulo), cidade em que a fabricante brasileira de aviões manterá uma de suas fábricas. A maior unidade da empresa, em São José dos Campos, será transferida para a Boeing assim que for concluída a venda de 80% da divisão de aviões comerciais da Embraer para a americana.
De acordo com o sindicato, apenas em dezembro, houve 300 desligamentos.
Funcionários da empresa afirmam que nem todos que foram desligados tiveram oferta para se mudar para Gavião Peixoto, onde hoje está instalada a unidade de defesa da Embraer. A área de aviação executiva, que está dividida entre plantas nos Estados Unidos e em São José dos Campos, terá suas atividades brasileiras concentradas em Gavião Peixoto.
A maioria das demissões de quarta-feira foi justamente de empregados do braço executivo da Embraer. Um engenheiro disse que há preocupação com novas demissões, pois parte dos profissionais têm tido pouco trabalho nos últimos meses.
A Embraer está finalizando dois grandes projetos - o do cargueiro militar C-390 Millennium (antigo KC-390) e o da família de aviões comerciais E2 -, que demandaram o trabalho de milhares de engenheiros. Hoje, segundo a companhia, são cerca de 5.000 engenheiros. "A empresa nunca havia feito demissões como essa na véspera do recesso de fim de ano", disse um funcionário.
Na manhã desta quinta-feira (19) o Sindicato dos Metalúrgicos organizou um protesto diante da fábrica de São José dos Campos, atrasando o início da produção em 40 minutos.
Em nota, a Embraer informou que os funcionários tinham sido avisados da transferência para Gavião Peixoto e que a maioria concordou com a mudança. A companhia afirmou ainda que foram contratadas 2.000 pessoas neste ano para formar a nova empresa que surgirá da parceria com a Boeing. A empresa, no entanto, não informou quantas demissões houve na quarta-feira, apenas negou os 500 desligamentos de dezembro.
Comentários CORRIGIR TEXTO