Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

TRABALHO

19/12/2019 - 16h47min. Alterada em 19/12 às 16h56min

RS tem saldo de 12,2 mil empregos em novembro e é 3º estado em criação de vagas

Números positivos nas contratações com carteira assinada foram puxados pelo bom desempenho do comércio e serviços

Números positivos nas contratações com carteira assinada foram puxados pelo bom desempenho do comércio e serviços


RAFAEL NEDDERMEYER/FOTOS PÚBLICAS/JC
O Rio Grande do Sul aparece na terceira colocação entre os estados que registraram maior variação positiva no saldo de empregos gerados ao longo de novembro, com 12.257 postos de trabalho efetivados no mês passado, uma alta de 0,48, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje pelo Ministério da Economia. Acima do Estado estão São Paulo e Rio de Janeiro, que criaram 23,1 mil e 16,9 mil vagas de trabalho, respectivamente. No saldo geral de empregos formais de novembro foram criadas 99.232 vagas com carteira assinada em todo o País.
O Rio Grande do Sul aparece na terceira colocação entre os estados que registraram maior variação positiva no saldo de empregos gerados ao longo de novembro, com 12.257 postos de trabalho efetivados no mês passado, uma alta de 0,48, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje pelo Ministério da Economia. Acima do Estado estão São Paulo e Rio de Janeiro, que criaram 23,1 mil e 16,9 mil vagas de trabalho, respectivamente. No saldo geral de empregos formais de novembro foram criadas 99.232 vagas com carteira assinada em todo o País.
Os números positivos foram puxados pelo bom desempenho dos setores de comércio e serviços. O comércio gerou 106.834 postos formais, enquanto o de serviços abriu 44.287 vagas de trabalho. O desempenho dos dois setores foi mais do que suficiente para compensar o fechamento de vagas registrado em praticamente todos os outros setores no mês. Pelo levantamento, 21 Unidades Federativas (UF) obtiveram variação positiva no saldo de empregos e seis estados variação negativa em novembro. Esse foi o oitavo mês consecutivo de abertura de vagas formais e o melhor resultado de novembro desde 2010, quando foram abertos 138.247 posto de trabalho.
A agropecuária descreveu o segundo menor saldo em novembro, com 62.721 admissões e 81.882 desligamentos, queda de 1,18% em relação ao mês anterior. No entanto, o Rio Grande do Sul se destacou na geração de empregos no Cultivo de Frutas de Lavoura Permanente, Exceto Laranja e Uva, com criação de 1.984 postos, e na Produção de Sementes Certificadas, com a abertura de 729 postos. Já na Indústria de calçados, o Estado obteve o menor saldo de postos de trabalho, com fechamento de 1.103 vagas das 2,3 mil encerradas no setor pelo País.
O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada teve alta real de 0,96% no mês ante o mesmo período de 2018, ficando em R$ 1.592,26, segundo dados do Caged. Na comparação com outubro, porém, houve queda de 0,74%. Houve ainda 15.754 desligamentos por acordo, em todo o País, no mês de novembro.
No recorte geográfico de novembro, apenas o Centro-Oeste registrou saldo negativo de empregos, com 5.138 postos fechados. As demais regiões obtiveram saldo positivo: Sudeste gerou 51.060 postos (alta de 0,25%); Sul registrou 28.995 postos, 0,40% a mais; Nordeste teve alta de 0,31%, com 19.824 vagas formalizadas e Norte obteve crescimento da geração de empregos em 0,25%, com 4.491 postos a mais de trabalho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia