Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de dezembro de 2019.
Dia Internacional do Migrante.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Edição impressa de 18/12/2019. Alterada em 18/12 às 03h00min

B3 estuda diminuir tarifas a corretoras para atrair investidores

A B3 estuda reduzir as tarifas impostas a corretoras para atrair pessoas físicas ao mercado de capitais. O objetivo é evitar o repasse dessas taxas e diminuir o custo de alocação para os investidores.
A B3 estuda reduzir as tarifas impostas a corretoras para atrair pessoas físicas ao mercado de capitais. O objetivo é evitar o repasse dessas taxas e diminuir o custo de alocação para os investidores.
Segundo o presidente da companhia, Gilson Finkelsztain, as discussões ainda estão em estágios preliminares, mas a B3 não descarta possíveis isenções tarifárias e revisão, para baixo, das atuais taxas cobradas.
Um dos incentivos tarifários já estudados está na cobrança da tarifa fixa na conta depositária de corretoras, que começa em R$ 9,00 mensais. Ele afirma, ainda, que embora a tendência seja de que a isenção de taxas aos investidores se amplie no mercado, não dá para garantir que todas as plataformas adotem o movimento.
"Algumas acabam repassando e outras não, mas é um custo que atrapalha o crescimento e a atração de novas pessoas. Por isso vamos rever e isso deve ter um reflexo positivo no mercado" completa Finkelsztain. Sobre a competição com as bolsas internacionais ante a preferência que algumas companhias brasileiras têm demonstrado por abrir capital no exterior, o presidente afirma que a Bolsa já busca fomentar o maior acesso do investidor a ativos fora do País. "É inevitável não falar de competição. É um tema que nos preocupa muito e essa consulta pública (sobre a flexibilização de certificados de depósitos que permitem o investimento em ações estrangeiras, os chamados BDRs), vem para viabilizar a negociação por aqui e, no médio prazo, possibilitar a (dupla) listagem" disse.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia