Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Edição impressa de 13/12/2019. Alterada em 13/12 às 03h00min

Calçadistas temem fim de tarifa de importação

Documento relata potencial prejuízo da indústria calçadista diante de abertura comercial

Documento relata potencial prejuízo da indústria calçadista diante de abertura comercial


FREDY VIEIRA/JC
A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) participou da primeira reunião da Frente Parlamentar Mista de Defesa do Setor Coureiro-calçadista. O encontro ocorreu no Ministério da Economia e foi conduzido pelo presidente da Frente, o deputado federal Lucas Redecker (PSDB).
A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) participou da primeira reunião da Frente Parlamentar Mista de Defesa do Setor Coureiro-calçadista. O encontro ocorreu no Ministério da Economia e foi conduzido pelo presidente da Frente, o deputado federal Lucas Redecker (PSDB).
Na ocasião, o presidente-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, entregou um documento em que relata o potencial prejuízo da indústria calçadista diante de uma possível abertura comercial, em virtude da redução da tarifa de importação para países de fora do Mercosul (TEC). "Sem a redução do nosso custo de produção, estaríamos vulneráveis à concorrência de países asiáticos que têm um custo muito reduzido. Seria um desastre para a indústria nacional em geral, no especial a de calçados, que tem sofrido com a concorrência de países asiáticos mesmo com a imposição de tarifas de defesa comercial", alerta.
De acordo com Redecker, o setor é a quinta indústria que mais gera emprego no Brasil, com quase 300 mil empregos atualmente. O deputado também lembrou que o custo de produção no Brasil é um dos mais elevados do mundo, cerca de US$ 4/hora, o dobro da China e o quádruplo da Índia, o que prejudica a competitividade do País.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia