Porto Alegre, quinta-feira, 23 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 23 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Comércio exterior

- Publicada em 17h11min, 09/12/2019. Atualizada em 17h11min, 09/12/2019.

Superávit na primeira semana de dezembro foi de US$ 1,646 bilhão

As maiores altas no período foram de Equipamentos elétricos e eletrônicos - em 44,45%

As maiores altas no período foram de Equipamentos elétricos e eletrônicos - em 44,45%


WENDERSON ARAUJO/TRILUX/CNA/DIVULGAÇÃO/JC
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,646 bilhão na primeira semana de dezembro. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (9), pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 5,073 bilhões e importações de US$ 3,427 bilhões.
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,646 bilhão na primeira semana de dezembro. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (9), pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 5,073 bilhões e importações de US$ 3,427 bilhões.
No total do ano, o superávit acumulado é de US$ 42,72 bilhões. No mês, houve alta de 4,9% na média diária das exportações na comparação com dezembro do último ano, passando de US$ 967,251 milhões para US$ 1,015 bilhão.
No período, houve aumento nas vendas em Produtos Básicos (13,04%) e Produtos Semimanufaturados (0,32%) e recuo nos envios para o exterior em Produtos Manufaturados (-4,73%).
Já as importações registraram alta de 6,13% na média diária em igual comparação. Elas saíram de US$ 645,838 milhões para US$ 685,421 milhões.
As maiores altas no período foram de Equipamentos elétricos e eletrônicos (44,45%), Papel e obras (37,97%) e Químicos orgânicos/inorgânicos (35,35%). Enquanto isso, as maiores quedas foram: Combustíveis/Lubrificantes (-42,2%), Adubos e fertilizantes (-40,15%) e Cobre e suas obras (-32,75%).
Comentários CORRIGIR TEXTO