Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

05/12/2019 - 16h53min. Alterada em 06/12 às 11h26min

Metalúrgicos de Gravataí aprovam proposta de acordo com GM

Plenária em frente ao complexo estava lotada por trabalhadores da montadora

Plenária em frente ao complexo estava lotada por trabalhadores da montadora


VALCIR ASCARI/SINMGRA/DIVULGÃO/JC
Os metalúrgicos que atuam no complexo da General Motors em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), aprovaram a proposta de acordo coletivo a ser firmado com a montadora. Assembleia foi realizada no começo da tarde desta quinta-feira (5) em frente ao acesso ao complexo.  
Os metalúrgicos que atuam no complexo da General Motors em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), aprovaram a proposta de acordo coletivo a ser firmado com a montadora. Assembleia foi realizada no começo da tarde desta quinta-feira (5) em frente ao acesso ao complexo.  
A plenária estava lotada por trabalhadores da montadora, que opera com três turnos. As tratativas começaram em janeiro, quando a empresa propôs a revisão de 21 pontos do acordo coletivo que está em vigor. A GM acabou recuando sobre algumas medidas. A revisão foi colocada pela companhia norte-americana como uma condição para permanecer no Brasil e incluía também outras bases de produção como São Caetano do Sul.
A proposta prevê valor do Programa de Participação nos Resultados (PPR) e reajuste salarial. A novidade é que o novo acordo, caso aprovado, terá validade por quatro anos. A categoria pede PPR de R$ 14,1 mil para funcionários da GM e de R$ 7,7 mil para os trabalhadores nas empresas sistemistas.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (Sinmgra), Valcir Ascari, o montante dos ganhos salariais com PPR e reajuste salarial injetaria R$ 250 milhões na economia em quatro anos. A GM tem cerca de 4 mil trabalhadores diretos no complexo em Gravataí, e são mais de 3 mil em sistemistas.
A categoria quer ainda a manutenção de itens do acordo coletivo em vigor, como a jornada de 40 horas semanais. O reajuste salarial propõe repasse de 80% da inflação de outubro. A partir de 2021, o repasse da inflação será integral, explica o dirigente.
Na semana passada, a GM fez ato simbólico inaugurando a nova plataforma de produção do Onix. A fábrica deve chegar a 4 milhões de unidades montadas este mês. O complexo começou a produzir em 2000.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia