Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Edição impressa de 03/12/2019. Alterada em 03/12 às 03h00min

Analistas projetam PIB maior para 2020, com alta de 2,22%

/

A expectativa de crescimento da economia em 2019 seguiu em 0,99%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 2, pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de alta era de 0,92%.

Para 2020, entretanto, houve discreta melhora no cenário: os analistas alteraram a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB), de 2,20% para 2,22%. Quatro semanas atrás, estava em 2,00%.

No Focus desta segunda-feira, a projeção para a produção industrial de 2019 seguiu em baixa de 0,70%. Há um mês, estava em queda de 0,73%.

No câmbio, a perspectiva dos economistas ouvidos pelo Relatório Focus é de manutenção para a moeda norte-americana em 2019. A mediana das expectativas para o câmbio no fim deste ano seguiu em R$ 4,10, igual a um mês atrás. Para 2020, a projeção para o câmbio foi de R$ 4,00 para R$ 4,01, ante R$ 4,00 de quatro pesquisas atrás.

No caso da Selic, também não houve mudanças. A mediana das previsões para a Selic neste ano seguiu em 4,50% ao ano. Há um mês, estava no mesmo patamar. Já a projeção para a Selic no fim de 2020 permaneceu em 4,50% ao ano, igual a quatro semanas atrás.

Em outubro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central cortou a Selic em 0,50 ponto porcentual, de 5,50% para 5,00% ao ano. Foi o terceiro corte consecutivo da taxa básica. O próximo encontro do Copom ocorre entre os dias 10 e 11 de dezembro e será o último do ano. Para o início de 2020, porém, a sinalização é de que o corte pode ser menor ou nem mesmo ocorrer.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia