Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de dezembro de 2019.
Dia Nacional do Astrônomo. Dia do Samba. Dia Pan-Americano da Saúde.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

Edição impressa de 02/12/2019. Alterada em 02/12 às 03h00min

Presidente da FCDL/RS é alvo de operação policial

A Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da Federação das Câmaras dos Dirigentes Lojistas (FCDL/RS) e em outros seis endereços na sexta-feira (29). A chamada Operação Lojista tem como foco de investigação o presidente da FCDL/RS, Vitor Augusto Koch, que é suspeito de ter desviado R$ 10 milhões desde 2006, ano em que começou a presidir a entidade.
A Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da Federação das Câmaras dos Dirigentes Lojistas (FCDL/RS) e em outros seis endereços na sexta-feira (29). A chamada Operação Lojista tem como foco de investigação o presidente da FCDL/RS, Vitor Augusto Koch, que é suspeito de ter desviado R$ 10 milhões desde 2006, ano em que começou a presidir a entidade.
A Justiça autorizou o bloqueio dos bens e contas dos investigados. Além de Koch, também foram indiciadas mais quatro pessoas por estelionato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
Em nota, a FCDL/RS afirma que as denúncias que levaram à operação "tem forte cunho político, conforme atestam as diversas atas de reuniões no âmbito interno da entidade, da sua diretoria, do Conselho Fiscal e assembleias, assim como ações judiciais ajuizadas e ocorrência policial registrada pelo presidente da Federação denunciando tentativa de extorsão, praticada por um dos denunciantes, diretor da entidade".
Ainda segundo o texto, a situação é decorrência de "um embate político instaurado por aqueles que perderam o último pleito eleitoral, aliados a membros opositores da atual diretoria".
A nota também afirma que não há irregularidades ou desvios na entidade e que as contas "foram aprovadas sem ressalvas pelo Conselho Fiscal, pela auditoria independente, pela contabilidade e pelas assembleias, das quais participaram os próprios denunciantes", e que a FCDL/RS está em contato com as autoridades para entender os fatos e prestar os esclarecimentos necessários.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia