Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

29/11/2019 - 13h04min. Alterada em 29/11 às 13h04min

Indicador de Incerteza da FGV cai 6,0 pontos em novembro para 105,1 pontos

O Indicador de Incerteza da Economia Brasileira (IIE-Br) caiu 6,0 pontos na passagem de outubro para novembro, alcançando 105,1 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Foi a segunda queda consecutiva do indicador, que registrou o menor nível desde fevereiro de 2018 (104,3 pontos).
O Indicador de Incerteza da Economia Brasileira (IIE-Br) caiu 6,0 pontos na passagem de outubro para novembro, alcançando 105,1 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Foi a segunda queda consecutiva do indicador, que registrou o menor nível desde fevereiro de 2018 (104,3 pontos).
Para explicar a queda da incerteza em outubro, a FGV destacou a divulgação de notícias favoráveis sobre o desempenho corrente da economia e algum arrefecimento das tensões políticas internas.
"Ainda é cedo para comemorar uma hipotética estabilização do indicador em níveis mais próximos da neutralidade 100 pontos, mas o avanço recente levou o indicador aos níveis do semestre de setembro de 2017 a fevereiro de 2018, momento em que havia certo otimismo quanto à possibilidade de a economia brasileira sair da crise de 2014-2016 de forma mais consistente do que se observou a posteriori", afirma Aloisio Campelo Jr, Superintendente de Estatísticas Públicas da FGV IBRE, na nota divulgada pela instituição.
O IIE-Br é composto por dois componentes: o IIE-Br Mídia, que faz o mapeamento nos principais jornais da frequência de notícias com menção à incerteza; e o IIE-Br Expectativa, que é construído a partir das dispersões das previsões para a taxa de câmbio e para o IPCA.
Em novembro, o componente de Mídia, com maior peso, recuou 4,4 pontos, para 103,6 pontos, contribuindo em -3,8 pontos para a queda do IIE-Br. O componente de Expectativa, por outro lado, registrou queda de 10,3 pontos, para 108,9 pontos, contribuindo em -2,2 ponto para o comportamento final do indicador.
A coleta do IIE-Br é realizada entre o dia 26 do mês anterior ao dia 24 do mês de referência.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia