Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

29/11/2019 - 13h27min. Alterada em 29/11 às 13h41min

Consumidores acordam cedo para aproveitar promoções da Black Friday em Porto Alegre

Loja Americanas, do Praia de Belas, abriu à meia noite e recebeu grande fluxo de consumidores

Loja Americanas, do Praia de Belas, abriu à meia noite e recebeu grande fluxo de consumidores


LUIZA PRADO/JC
Lourenço Marchesan
O comércio de rua e os shoppings de Porto Alegre abriram mais cedo nesta sexta-feira (29) em função da Black Friday, que já entrou no calendário brasileiro como uma das datas mais importantes do varejo. Muitos consumidores gaúchos aproveitaram a data para fazer compras de Natal e fazer um rancho a longo prazo, chegando cedo em estabelecimentos que anteciparam seus horários de funcionamento.
O comércio de rua e os shoppings de Porto Alegre abriram mais cedo nesta sexta-feira (29) em função da Black Friday, que já entrou no calendário brasileiro como uma das datas mais importantes do varejo. Muitos consumidores gaúchos aproveitaram a data para fazer compras de Natal e fazer um rancho a longo prazo, chegando cedo em estabelecimentos que anteciparam seus horários de funcionamento.
Diante das promoções ofertadas pelas lojas que exibiam a porcentagem dos descontos em painéis na entrada, as pessoas entravam e saíam com mais de uma sacola carregada de itens adquiridos. No shopping Praia de Belas, que estendeu o horário de abertura para 8h e ofereceu isenção de estacionamento durante todo o dia, movimentação e formação de filas ainda eram tímidos assim que o estabelecimento passou a operar.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/29/206x137/1_lp_291119___black_friday__5_-8916303.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5de1236f6d37d', 'cd_midia':8916303, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/29/lp_291119___black_friday__5_-8916303.jpg', 'ds_midia': 'Black Friday no Praia de Belas Shopping  Na foto: Fabio Chagas', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Black Friday no Praia de Belas Shopping  Na foto: Fabio Chagas', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Chagas foi ao shopping com uma lista já preparada pela mulher com o que comprar. Fotos: Luiza Prado/JC
Aproveitando as ofertas do varejo, o advogado Fabio Chagas chegou às 8h no Praia de Belas. O foco dele era a compra dos brinquedos para o Natal do filho de três anos. "Minha esposa fez toda a pesquisa das promoções", citou o advogado, sobre a ajuda que teve e que facilitou e agilizou a busca dos produtos. 
As irmãs Amanda e Stefani Schmitt e a tia Rosane tinham em mente o que buscar por pesquisas feitas para a data. Moradoras do bairro Agronomia, zona leste da Capital, as três chegaram às 6h e entraram pela porta dos fundos da loja Americanas, que estava aberta desde a meia-noite dessa quinta-feira (29).
Dentre os produtos escolhidos pelo trio, estavam roupas, eletrônicos, eletrodomésticos e alimentos. Mais velha das duas, Amanda mostrava satisfação por ter conseguido adquirir um smartphone novo que custava R$ 1.299,00 por R$ 799,00.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/29/206x137/1_lp_291119___black_friday__11_-8916309.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5de1236f6d37d', 'cd_midia':8916309, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/29/lp_291119___black_friday__11_-8916309.jpg', 'ds_midia': 'Black Friday no Praia de Belas Shopping  Na foto: Amanda Schmitt, Stefani Schmitt e Rosane Schmitt', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Black Friday no Praia de Belas Shopping  Na foto: Amanda Schmitt, Stefani Schmitt e Rosane Schmitt', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Amanda (e), Stefani (c) e Rosane entraram pela porta dos fundos da Americanas para aproveitar as promoções  
Desde sua estreia no Brasil há uma década, a Black Friday se consolidou como uma das cinco datas mais importantes para o varejo do país. Em Porto Alegrem, as lojas que possuem acordo coletivo de trabalho, formalizado pela empresa e pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre (Sindec-Poa), com participação do Sindilojas, poderão funcionar até meia-noite respeitando as regras estabelecidas no acordo.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/29/206x137/1_78770547_2846696365342205_2076464418140454912_n-8916459.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5de13d243819c', 'cd_midia':8916459, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/29/78770547_2846696365342205_2076464418140454912_n-8916459.jpg', 'ds_midia': 'Black Friday em Porto Alegre. Na foto: Ana Júlia Bitencourt de Oliveira, comerciária, e José Alfredo de Oliveira, empresário', 'ds_midia_credi': 'PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Black Friday em Porto Alegre. Na foto: Ana Júlia Bitencourt de Oliveira, comerciária, e José Alfredo de Oliveira, empresário', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
"Agora vamos para casa descansar", avisaram pai e filha, após concluírem as compras em Porto Alegre. Foto: Patrícia Comunello 
Do shopping para a rua. O empresário José Alfredo de Oliveira saiu de Guaíba, onde reside, para ajudar a filha, a comerciária Ana Júlia, a carregar as sacolas com produtos comprados. Funcionária da Americanas, Ana Júlia, trabalhou toda a madrugada e depois foi às compras na loja onde trabalha. 
Ela comprou microondas e liquidificador e outros itens. "Valeu a pena. Gastei R$ 1,8 mil e, pelo preço normal, a conta sairia de R$ 3 mil a R$ 3,5 mil", compara a jovem. O pai estava desde as 6h na rua. Em Guaíba, ele foi a uma filial da Lojas Lebes comprar cadeiras de praia. Sobre continuar a gastar, a dupla deu uma resposta direta: "Não, agora vamos para casa descansar".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia