Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/11 às 19h08min

Com volume reduzido por feriado nos EUA, Ibovespa sobe e retoma 108 mil pontos

O Ibovespa acumula ganho de 1,00% em novembro, com avanço de 23,21% no ano

O Ibovespa acumula ganho de 1,00% em novembro, com avanço de 23,21% no ano


JOÃO MATTOS/JC
Com liquidez reduzida pelo feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, o Ibovespa fechou a sessão em terreno positivo, pelo segundo dia, recuperando a linha de 108 mil pontos. O principal índice da B3 avançou 0,54%, aos 108.290,09 pontos, firmando-se em terreno positivo no meio da tarde, após ter permanecido em torno da estabilidade boa parte da sessão. Faltando apenas um dia para encerrar o mês, o Ibovespa acumula agora ganho de 1,00% em novembro, com avanço de 23,21% no ano. O giro financeiro nesta quinta-feira (28) foi de R$ 12,8 bilhões.
Com liquidez reduzida pelo feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, o Ibovespa fechou a sessão em terreno positivo, pelo segundo dia, recuperando a linha de 108 mil pontos. O principal índice da B3 avançou 0,54%, aos 108.290,09 pontos, firmando-se em terreno positivo no meio da tarde, após ter permanecido em torno da estabilidade boa parte da sessão. Faltando apenas um dia para encerrar o mês, o Ibovespa acumula agora ganho de 1,00% em novembro, com avanço de 23,21% no ano. O giro financeiro nesta quinta-feira (28) foi de R$ 12,8 bilhões.
O Ibovespa se firmou em alta e tocou máxima da sessão após significativa revisão dos dados referentes a exportações, que nas quatro primeiras semanas de novembro totalizaram US$ 13,498 bilhões, frente a US$ 9,681 bilhões inicialmente reportados para o período. A revisão contribuiu para mitigar um pouco os temores quanto a uma deterioração das contas externas, preocupação que dominou a primeira metade da semana, afetando em especial o câmbio e a curva de juros, mas se espraiando também para as ações.
Nesta quinta-feira, o Banco Central fez oferta de US$ 1 bilhão, a quarta intervenção desde a terça-feira no câmbio, o que contribuiu decisivamente para que a moeda americana fechasse hoje em queda de 1,02%, a R$ 4,2153, tendo oscilado entre mínima de R$ 4,2133 e máxima de R$ 4,2609.
"Quando a 'matriz' (EUA) fecha, fica bem devagar na 'filial' (Brasil), mas esta revisão das exportações ajudou a dar direção positiva ao Ibovespa, apesar do desempenho, moderadamente ruim, das ações de bancos", diz Luiz Roberto Monteiro, operador financeiro sênior da Renascença.
O setor financeiro, que responde por 25% da composição do Ibovespa, teve desempenho em geral negativo nesta quinta-feira, em razão da decisão do governo de impor limite aos juros do cheque especial, mas conseguiu restringir, ou mesmo reverter, as perdas observadas mais cedo.
A unit do Santander fechou em baixa de 1,76%, com Bradesco ON em leve perda de 0,10% e a preferencial em queda de 0,78%. A ação preferencial do Itaú Unibanco fechou o dia em baixa de 0,29%, enquanto Banco do Brasil ON subiu 0,55%.
Ante expectativa de forte desempenho nas vendas desta Black Friday, com estimativas de crescimento de dois dígitos, o setor de varejo e consumo esteve entre os vencedores do dia, com Via Varejo em alta de 3,87%, Pão de Açúcar, de 1,87%, e Lojas Americanas, de 3,14%.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia