Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de novembro de 2019.
Feriado nos EUA - Dia de Ação de Graças.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

Edição impressa de 27/11/2019. Alterada em 27/11 às 03h00min

Teles oferecem empréstimos via celular

Novo produto promoverá competição entre agentes financeiros

Novo produto promoverá competição entre agentes financeiros


/AFAGEN VIA VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
Na mira de um mercado anual de R$ 1,2 bilhão, as teles entraram na disputa para ofertar crédito. Vivo e Claro já lançaram serviços de empréstimos via celular. A TIM finaliza seu plano. Estimativas da Associação Brasileira de Crédito Digital indicam que, por ano, 45 milhões de brasileiros, principalmente de baixa renda, vêm movimentando cada vez mais dinheiro fora do sistema bancário. No ano passado, foi R$ 1,2 bilhão, um crescimento de 35% em relação aos R$ 800 milhões movimentados em 2017. A maioria desse grupo tem uma linha de celular. São esses clientes que as teles pretendem "bancarizar".
Na mira de um mercado anual de R$ 1,2 bilhão, as teles entraram na disputa para ofertar crédito. Vivo e Claro já lançaram serviços de empréstimos via celular. A TIM finaliza seu plano. Estimativas da Associação Brasileira de Crédito Digital indicam que, por ano, 45 milhões de brasileiros, principalmente de baixa renda, vêm movimentando cada vez mais dinheiro fora do sistema bancário. No ano passado, foi R$ 1,2 bilhão, um crescimento de 35% em relação aos R$ 800 milhões movimentados em 2017. A maioria desse grupo tem uma linha de celular. São esses clientes que as teles pretendem "bancarizar".
Esse novo produto está alinhado com a estratégia do Banco Central de ampliar a oferta de crédito por meio de competição de novos agentes financeiros, principalmente do setor de tecnologia. No caso da Claro, o parceiro é o mexicano Inbursa, que pertence ao próprio dono da operadora, o bilionário Carlos Slim. O serviço da tele foi lançado na segunda-feira. Para acessá-lo, basta baixar um aplicativo da operadora (Claro Smartcred), inserir dados pessoais e incluir documentos (RG e CPF) digitalizados. Automaticamente, é feita uma análise de crédito, e o cliente pode ter uma linha disponibilizada que varia de R$ 1,5 mil a R$ 10 mil. O valor pode ser parcelado em até 38 vezes, e as mensalidades são lançadas na fatura da operadora.
Na Vivo, a parceria é com o banco Digio, que atende 14 empresas de tecnologia (fintechs). Lançado em agosto, o projeto, batizado de Vivo Money, é um teste para algo maior: a exploração de serviços de crédito e pagamentos. A empresa, controlada pelos espanhóis da Telefónica, oferece crédito de R$ 1 mil a R$ 30 mil com juros mensais de 2,9% a 9,9%, que variam dependendo do risco de inadimplência de cada cliente. Em uma primeira etapa, somente clientes que receberam a comunicação da Vivo poderão usufruir do serviço. Em breve, a empresa vai estender para toda sua base de usuários.
A TIM está praticamente concluindo a elaboração de seu plano nesse ramo. Na Itália, a empresa fechou parceria com o banco espanhol Santander. A tendência, segundo pessoas que participam das conversas, é que, no Brasil, a parceria seja feita com uma fintech ou banco de menor porte. Isso porque, para empréstimos de menor valor, os custos dos grandes bancos não compensam os ganhos com as operações.
A tendência, segundo as teles, é que, passada a fase de testes, elas próprias avaliem a compra de uma fintech ou o pedido de registro no Banco Central para abertura de bancos ligados às operadoras. Por enquanto, elas oferecem serviços financeiros como correspondentes bancários. Na prática, elas fecham um contrato com um banco e dividem as receitas das operações de crédito. Estudo da consultoria PricewaterhouseCoopers mostra que, em um cenário de queda persistente de receitas de serviços de telefonia, as operadoras precisam se valer dos benefícios da digitalização para gerar outros tipos de receitas. Os serviços financeiros seriam uma nova fronteira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia