Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

câmbio

Edição impressa de 26/11/2019. Alterada em 26/11 às 03h00min

Contas externas brasileiras têm pior déficit para outubro em cinco anos

No mês passado, os brasileiros gastaram US$ 1,5 bilhões em viagens internacionais

No mês passado, os brasileiros gastaram US$ 1,5 bilhões em viagens internacionais


MARCELLO CASAL JR/ABR/JC
As contas externas brasileiras ficaram deficitárias no mês de outubro. O chamado déficit em transações correntes - quando o volume de dinheiro que sai do Brasil supera o montante que entra no País - foi de US$ 7,9 bilhões no mês, informou o Banco Central (BC) nesta segunda-feira (25). Esse é o pior resultado para o mês em cinco anos.
As contas externas brasileiras ficaram deficitárias no mês de outubro. O chamado déficit em transações correntes - quando o volume de dinheiro que sai do Brasil supera o montante que entra no País - foi de US$ 7,9 bilhões no mês, informou o Banco Central (BC) nesta segunda-feira (25). Esse é o pior resultado para o mês em cinco anos.
 
O montante ultrapassa a estimativa da própria autoridade monetária para o mês, que projetava um rombo de US$ 5,8 bilhões. No mesmo mês do ano passado, o saldo, também negativo, foi de US$ 2 bilhões. Para novembro, o BC estima o mesmo déficit nas contas externas, de US$ 5,8 bilhões.
 
Segundo o BC, o déficit do mês de outubro foi puxado pela redução do superávit da balança comercial brasileira, que foi de US$ 5,3 bilhões para US$ 490 milhões. Além da compra e venda de mercadorias e serviços entre o Brasil e outros países, o resultado da transações correntes também considera operações de transferência de renda entre o Brasil e outros países.
 
O chefe do departamento de estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, explica que a redução do superávit da balança comercial representou 82% no rombo das transações correntes no mês, puxado por menos exportações e mais importações. "Pode-se observar redução na balança comercial principalmente pela redução das exportações. Enquanto que nas contas de serviços e rendas temos ligeiro aumento no déficit no mês e uma estabilidade no ano", afirma.
 
No acumulado do ano até outubro, o balanço de pagamentos do País também foi deficitário. O rombo foi de US$ 45,6 bilhões, ante cerca de US$ 32,3 bilhões no mesmo período de 2018 - uma alta de mais de 40%. Esse é o pior resultado para o período de janeiro a outubro desde 2015, quando o déficit chegou a US$ 52,1 bilhões nos dez primeiros meses do ano.
 
O BC também informou que, em outubro, o volume de investimento direto no Brasil chegou a US$ 6,8 bilhões. O montante ficou aquém do registrado no mesmo mês de 2018, quando esse tipo de investimento chegou a US$ 8,1 bilhões.
 
No acumulado do ano, porém, o cenário é positivo: os investimentos estrangeiros diretos chegaram a US$ 62,1 bilhões, valor cerca de 2% maior que o registrado nos primeiros dez meses do ano passado, US$ 60,7 bilhões. Dessa maneira, o rombo acumulado das contas externas no ano, de US$ 45,6 bilhões, foi coberto. Na avaliação de Fernando Rocha, o indicador tem apresentado "fluxos robustos e significativos".
 
Já os investimentos em carteira, que abarcam a bolsa de valores e o mercado de renda fixa, recuaram US$ 4,5 bilhões em outubro. Esse é o terceiro mês seguido de saída desse tipo de investimento no país. Segundo Fernando Rocha, a continuidade chama a atenção:
 
"Nos investimentos em portfólio, é o terceiro mês seguido de saídas do país, agosto, setembro e outubro. Até então, alternávamos entre resultados positivos e negativos, mas agora, em outubro, temos o terceiro mês de saídas seguidas", disse.
 
Em outubro, os brasileiros gastaram US$ 1,5 bilhões em viagens internacionais. O valor ficou abaixo do que foi gasto no mesmo mês do ano passado, quando US$ 1,6 bilhões foram deixados lá fora. Esse tipo de gasto vêm caindo na esteira da forte alta do dólar, que deixa as viagens mais caras.
 
De acordo com o BC, essa é a menor despesa líquida com viagens ao exterior desde outubro de 2016 . Se considerado o período de janeiro a outubro, esse tipo de despesa também chegou ao menor patamar em três anos. Nos 10 primeiros meses de 2019, as despesas de brasileiros no exterior somaram US$ 14,8 bilhões, montante 4% menor frente ao mesmo período do ano passado, quando foram gastos US$ 15,4 bilhões.
 
O gasto dos estrangeiros por aqui também diminuiu. Em outubro do ano passado, os turistas deixaram US$ 456 milhões no Brasil. Este ano, o gasto ficou em US$ 442 milhões. Assim, a conta de viagens do país ficou deficitária em cerca de US$ 1 bilhão no mês passado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia