Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h25min, 22/11/2019. Atualizada em 10h25min, 22/11/2019.

Dólar abre em alta, mas passa a cair com realização parcial de ganhos

O dólar passou a cair no mercado à vista e registrou mínima de R$ 4,1766 (-0,25%) na manhã desta sexta-feira (22) depois de ter iniciado a sessão com viés de alta e atingido máxima em R$ 4,2006 (+0,18%). Um apetite leve por ativos de risco impulsiona as bolsas europeias e futuros de Nova Iorque e também estimula uma realização parcial no dólar, que acumula ganhos ante o real de mais de 4% em novembro e de 8,00% em 2019.
O dólar passou a cair no mercado à vista e registrou mínima de R$ 4,1766 (-0,25%) na manhã desta sexta-feira (22) depois de ter iniciado a sessão com viés de alta e atingido máxima em R$ 4,2006 (+0,18%). Um apetite leve por ativos de risco impulsiona as bolsas europeias e futuros de Nova Iorque e também estimula uma realização parcial no dólar, que acumula ganhos ante o real de mais de 4% em novembro e de 8,00% em 2019.
Os agentes de câmbio monitoram também a queda dos juros futuros, após o resultado do IPCA-15, que embora tenha acelerado em novembro, com alta de 0,14%. É o menor resultado para novembro desde novembro de 1998. Em 12 meses, o índice acumula alta de 2,67%, acima da mediana (2,68%), mas ainda assim bem abaixo do centro da meta estabelecida para inflação no ano (4,25%).
No câmbio, a volatilidade do dólar entre margens estreitas confirma a expectativa para a abertura da sessão, em meio aos sinais mistos e bem próximos da estabilidade da moeda americana no exterior em relação a seus pares principais e divisas emergentes ligadas a commodities.
Nesta sexta-feira (22), as notícias sobre as negociações comerciais entre Estados Unidos e China seguem no foco global assim como o cenário de instabilidade política na América do Sul, sobretudo na Colômbia e no Chile. Mais cedo, o presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que pretende trabalhar para alcançar um acordo comercial com os Estados Unidos, mas que pode "retaliar" os americanos caso a disputa entre os dois países se prolongue.
Às 9h52min, o dólar à vista caía 0,02%, a R$ 4,1921. O dólar futuro de dezembro recuava 0,06%, a R$ 4,1940, após ter registrado mínima em R$ 4,1785 (-0,44%) e máxima, em R$ 4,2030 (+0,14%).
Comentários CORRIGIR TEXTO