Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

22/11/2019 - 09h45min. Alterada em 22/11 às 09h46min

Prévia da inflação fica em 0,14% em novembro, revela IBGE

Com o resultado anunciado, o IPCA-15 acumulou aumento de 2,83% no ano

Com o resultado anunciado, o IPCA-15 acumulou aumento de 2,83% no ano


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,14% em novembro, após ter avançado 0,09% em outubro, informou na manhã desta sexta-feira (22) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,14% em novembro, após ter avançado 0,09% em outubro, informou na manhã desta sexta-feira (22) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Com o resultado anunciado, o IPCA-15 acumulou aumento de 2,83% no ano. Nos 12 meses encerrados em novembro, o indicador ficou em 2,67%, acima da mediana de 2,68% das projeções (2,53% a 2,84%), porém aquém do centro da meta de inflação, que é de 4,25% ao ano para 2019.
O valor do IPCA-15 agora divulgado foi o menor já registrado em um mês de novembro desde 1998, quando a taxa foi de queda de 0,11%.
Neste mês a principal influência de baixa partiu do grupo de Habitação, que cedeu 0,22%, gerando impacto negativo de 0,04 ponto porcentual. O desempenho deste segmento de preços foi afetado pela queda de 1,51% no item energia elétrica, com efeito de -0,06 ponto porcentual.
No período de pesquisa, houve redução média de 5,30% nas tarifas residenciais de uma das concessionárias de São Paulo (-1,68%). O mesmo aconteceu em Brasília (-5,44%) e Goiânia (-4,75%).
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia