Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de novembro de 2019.
Dia do Bandeirante.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/11 às 17h30min

Petróleo fecha em queda com ampliação de estoques nos EUA

O petróleo fechou em queda nesta quinta-feira (14), após o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) americano informar alta maior que previsto nos estoques da commodity. Investidores também monitoram com cautela indicações sobre as negociações entre Estados Unidos e China e indicadores aquém do esperado do gigante asiático.
O petróleo fechou em queda nesta quinta-feira (14), após o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) americano informar alta maior que previsto nos estoques da commodity. Investidores também monitoram com cautela indicações sobre as negociações entre Estados Unidos e China e indicadores aquém do esperado do gigante asiático.
O contrato do WTI para dezembro fechou em queda de 0,61%, a US$ 56,77 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). O Brent para janeiro recuou 0,14%, a US$ 56,77, na Intercontinental Exchange (ICE).
O petróleo tentou sustentar algum fôlego durante a manhã, mas reduziu os ganhos e foi a território negativo após o relatório semanal do DoE indicar alta acima do esperado no volume estocado de petróleo. Os estoques de gasolina também subiram, ao contrário da projeção de queda. A produção média, além disso, se ampliou de 12,6 milhões de barris por dia (bpd) para 12,8 milhões.
Influencia os preços, ainda, a cautela com as negociações entre EUA e China. Hoje, novas informações do Financial Times foram na mesma direção das divulgadas ontem pela Dow Jones Newswires, que indicavam dificuldade nas tratativas.
A aparente trava na relação bilateral ocorre em meio a recentes sinais de desaceleração do gigante asiático, que hoje mostrou desaceleração na indústria, varejo e investimentos em ativos fixos, segundo dados publicados.
Também hoje, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) manteve a perspectiva para o crescimento da demanda global pela commodity para 2019 e 2020. Para este ano, a projeção segue em 980 mil bpd e, para 2020, o crescimento está previsto em 1,08 milhão de bpd. A manutenção das previsões pela Opep para este ano ocorre após três meses consecutivos de corte.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia