Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

13/11/2019 - 20h30min. Alterada em 13/11 às 20h30min

Bolsas de Nova Iorque avançam na maioria, com Dow Jones e S&P com recorde de fechamento

As bolsas de Nova Iorque fecharam na maioria em território positivo nesta quarta-feira, com os índices Dow Jones e S&P 500 em patamar recorde de fechamento, apesar de o otimismo ter diminuído no exterior durante a tarde com notícias de que as negociações comerciais entre Estados Unidos e China teriam chegado a um impasse.
As bolsas de Nova Iorque fecharam na maioria em território positivo nesta quarta-feira, com os índices Dow Jones e S&P 500 em patamar recorde de fechamento, apesar de o otimismo ter diminuído no exterior durante a tarde com notícias de que as negociações comerciais entre Estados Unidos e China teriam chegado a um impasse.
O índice Dow Jones avançou 0,33%, em 27.783,59 pontos, o Nasdaq teve leve recuo de 0,05%, a 8.482,10 pontos, e o S&P 500 subiu 0,07%, a 3.094,04 pontos.
A abertura dos negócios foi negativa, com os investidores aguardando novidades sobre os desdobramentos da guerra comercial sino-americana, mas as bolsas viraram para o positivo no início da tarde e bateram máximas em meio a declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, no Congresso dos Estados Unidos.
O banqueiro central disse que inflação e juros baixos são o "novo normal" neste momento no mundo e que os EUA podem operar com desemprego muito abaixo do que se esperava, mas mencionou a desaceleração global.
Na avaliação da economista-chefe do Stifel, Lindsey Piegza, a fala de Powell indicou que o Fed "está disposto e apto a fornecer mais estímulos, mas fará isso com relutância".
Já no meio da tarde, a Dow Jones Newswires noticiou que as conversas entre a China e os Estados Unidos para fechar a chamada "fase 1" do acordo comercial enfrentam um impasse em torno de compras agrícolas. Segundo fontes ouvidas pela agência, Pequim evita fechar um acordo que possa beneficiar apenas Washington. Na terça, o presidente americano, Donald Trump, havia dito que a Pequim estava "começando a fazer grandes compras" de produtos agrícolas americanos.
Entre as ações em destaque, Apple avançou 0,96%, apoiando o Nasdaq. Os bancos, por outro lado, tiveram sessão negativa, com Goldman Sachs (-0,49%), JPMorgan (-0,53%) e Citigroup (-1,55%).
Já entre os setores, o subíndice de serviços de concessionárias do S&P500 liderou os ganhos (+1,47), seguido pelo do setor imobiliário (+1,07) e o do setor de consumo básico (+0,86%).
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia