Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

13/11/2019 - 11h37min. Alterada em 13/11 às 11h49min

Varejo gaúcho reverte queda e cresce 2,5% em setembro; receitas também sobem

Movimento no comércio antes do Natal no Barra Shopping Sul

Movimento no comércio antes do Natal no Barra Shopping Sul


CLAITON DORNELLES /JC
Patrícia Comunello
O varejo gaúcho registrou em setembro crescimento de 2,5% no volume de vendas frente a agosto, mas o desempenho é negativo, com queda de 3,8%, na comparação com o mesmo mês de 2018. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O varejo gaúcho registrou em setembro crescimento de 2,5% no volume de vendas frente a agosto, mas o desempenho é negativo, com queda de 3,8%, na comparação com o mesmo mês de 2018. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O confronto mensal aponta reversão do que foi verificado em agosto, quando o volume de vendas havia caído 7,6%, mas frente a 2018, o setor encara o segundo mês de queda - em agosto, o recuo foi de 3,3%. O desempenho se refere ao setor geral. O dado da comparação mensal tem ajuste sazonal.   
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O setor de combustível registra o pior desempenho, com queda de 28,9% frente a setembro do ano passado. A pesquisa só mede a relação com o ano passado. Tiveram queda também as vendas de eletrodomésticos, de 4,4%, e nos supermercados, de 2,3%. Livros, jornais, revistas e papelaria mantêm recuo do ano, que chegou a 11,6% em setembro.
No País, a média do comércio mostrou mais vigor no confronto anual, subindo 2,7%, e 0,7% frente ao mês anterior. Os meses anteriores registram elevação. 
Na comparação mensal recente, o setor gaúcho mostra reversão ante os dados de agosto, que haviam registrado recuo de 8,4% nas vendas. No ano, o saldo é positivo, com alta de 1,7% e, em 12 meses, o acumulado é de 2,3%. Na média das regiões brasileiras, a sequência mensal vem positiva desde abril. Já no ano, a alta é de 1,3%, e, em 12 meses, de 1,5%.
Já as receitas da comercialização do comércio no Estado, que também são captadas pela pesquisa do IBGE, tiveram alta de 2,7% frente a agosto, mas queda de 3,5% em relação a setembro de 2018. No ano, o faturamento acumula alta de 5,2% e, em 12 meses, de 6,4%. No Brasil, a receita subiu 0,7% frente a agosto e 3,5% em relação a setembro do ano passado.
No chamado varejo ampliado, que inclui venda de veículos e materiais de construção, a queda foi de 0,1% em relação a agosto e de 1,7% frente ao mesmo mês de 2018. É o segundo mês de recuos. O ano tem alta de 2,8%, e, em 12 meses, de 3,7%. A receita ficou estável na comparação mensal e caiu 1,1% em relação a setembro de 2018. No ano, o faturamento tem alta de 5,7% e de 7,1% em 12 meses.
Neste recorte, veículos apresentam evolução positiva, com alta de 5,2% em relação a 2018 - só é feito o confronto anual -, de 8,8% no ano e de 11,5% em 12 meses.  Já materiais de construção estão em queda, com recuo mensal de 0,7%, de 1,5% no ano e de 1,1% em 12 meses.
No varejo geral, outros destaques foram as altas no volume de vendas dos artigos de uso pessoal e doméstico, de 10,5%, equipamentos e materiais para escritório, de 8,4%, e tecidos, vestuário e calçados, de 7,3%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia