Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de novembro de 2019.
Dia do Supermercado. Dia Internacional da Qualidade.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Edição impressa de 12/11/2019. Alterada em 12/11 às 03h00min

Setor calçadista ganha Frente Parlamentar no Congresso

Foi lançada, nesta segunda-feira, a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Setor Coureiro-Calçadista. Presidida pelo deputado federal Lucas Redecker (PSDB-RS), a frente terá a missão de defender os interesses e pleitos de um segmento econômico que emprega mais de 330 mil pessoas diretamente e gera mais de US$ 3,8 bilhões em exportações. O lançamento ocorreu na sede da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha (ACI NH/CB/EV), em Novo Hamburgo.
Foi lançada, nesta segunda-feira, a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Setor Coureiro-Calçadista. Presidida pelo deputado federal Lucas Redecker (PSDB-RS), a frente terá a missão de defender os interesses e pleitos de um segmento econômico que emprega mais de 330 mil pessoas diretamente e gera mais de US$ 3,8 bilhões em exportações. O lançamento ocorreu na sede da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha (ACI NH/CB/EV), em Novo Hamburgo.
Redecker destacou a força da nova frente, que tem assinatura de 195 deputados federais e oito senadores, que já estão trabalhando pelo desenvolvimento do setor coureiro-calçadista. Ao final do encontro, entidades representativas da cadeia - Abicalçados (calçados), Assintecal (componentes), ACI NH/CB/EV (industrial), Abrameq (máquinas) e CICB (couros) - entregaram cinco pleitos destacados, entre eles, o restabelecimento da alíquota do Reintegra em 3%, com possibilidade de elevação a 5%, a manutenção da desoneração da folha de pagamentos no modelo atual, excluindo as receitas provenientes de exportações, entre outros temas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia