Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

11/11/2019 - 14h56min. Alterada em 11/11 às 14h56min

Segundo secretário, reforma tributária não virá no curto prazo

Todas as propostas vão na mesma direção de simplificação desejada pelo governo

Todas as propostas vão na mesma direção de simplificação desejada pelo governo


WASHINGTON COSTA/ME/DIVULGAÇÃO/JC
O secretário de Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec), Carlos da Costa, afirmou não acreditar que a reforma tributária ocorra no curtíssimo prazo, dada a complexidade do tema. Ele afirmou, no entanto, que o governo vai enviar "em breve" os termos da sua proposta ao Congresso, "mais alinhada" aos textos que já estão na Câmara e no Senado.
O secretário de Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec), Carlos da Costa, afirmou não acreditar que a reforma tributária ocorra no curtíssimo prazo, dada a complexidade do tema. Ele afirmou, no entanto, que o governo vai enviar "em breve" os termos da sua proposta ao Congresso, "mais alinhada" aos textos que já estão na Câmara e no Senado.
"Tínhamos alguns caminhos que estávamos investigando, eles foram abandonados, vocês sabem muito bem. Agora estamos com uma proposta que virá em breve, mais em linha com as atuais. Estamos otimistas com reforma, não achamos que virá no curtíssimo prazo, pela complexidade, mas sabemos que é algo fundamental", afirmou durante almoço realizado pelo Lide.
Segundo ele, todas as propostas que atualmente tramitam no Legislativo vão na mesma direção de simplificação desejada pelo governo. "Isso nos deixa otimistas", disse, completando que também é importante para a equipe econômica "ter no projeto uma forma de desoneração de produção e emprego."
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia