Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Edição impressa de 11/11/2019. Alterada em 11/11 às 03h00min

Pacote do governo incentiva contratação de jovem e de trabalhador acima de 55 anos

O governo Jair Bolsonaro vai lançar hoje um pacote de medidas para estimular a geração de emprego no País - em especial, para os mais jovens - e impulsionar o crédito para pequenos negócios. Parte das propostas dependerá de aprovação no Congresso. É o caso da principal iniciativa: a redução de encargos para que empregadores contratem jovens (de 18 a 29 anos) e pessoas acima de 55 anos, que não estejam aposentadas.
O governo Jair Bolsonaro vai lançar hoje um pacote de medidas para estimular a geração de emprego no País - em especial, para os mais jovens - e impulsionar o crédito para pequenos negócios. Parte das propostas dependerá de aprovação no Congresso. É o caso da principal iniciativa: a redução de encargos para que empregadores contratem jovens (de 18 a 29 anos) e pessoas acima de 55 anos, que não estejam aposentadas.
Essa medida representa perda de receitas para os cofres públicos. Por isso, a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, fez cálculos nos últimos meses para que a desoneração beneficie quem realmente precisa. Quanto mais amplo o incentivo fiscal, maior é o custo para o governo bancar os novos contratos de trabalho. A solução encontrada foi limitar o público-alvo da medida a trabalhadores de baixa renda. A desoneração, portanto, deve valer para novos contratos formais (carteira assinada) e de até 1,5 salário-mínimo (hoje, R$ 1.497,00). Em setembro, os contratos de trabalho assinados previam, em média, um salário de R$ 1.604,60, segundo dados do Ministério da Economia.
Apesar do esforço da equipe econômica para dosar a medida, o Congresso - tradicionalmente - tende a ampliar os benefícios, quando analisa propostas do Executivo. Isso desagrada Guedes, que quer reduzir a renúncia fiscal. Essa também é uma preocupação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). "Um governo sem base (de apoio político), na hora que vem uma bondade dessa, muitas vezes eles a aumentam", afirmou. A ideia do governo é isentar as empresas da cobrança de 20% sobre a folha de pagamentos, chamada de contribuição previdenciária patronal, além das alíquotas do sistema S e do salário-educação.
Esse incentivo deve valer por até dois anos de contrato. Isso significa que entrariam menos recursos nos cofres públicos. Outros encargos, como depósitos na conta do empregado no FGTS, também serão reduzidos. Hoje, as empresas pagam 8% do salário para o fundo. Essa taxa deve cair, temporariamente, para 2%. Chamado de Trabalho Verde e Amarelo, o contrato permite o corte, de 40% para 20%, na multa a ser paga pelo patrão em caso de demissão sem justa causa. O governo estima que, com esses descontos, o custo de contratação de mão de obra cairá cerca de 30%.
O plano do Ministério da Economia é impedir que o empresário demita funcionários para contratar pessoas na nova modalidade, que é mais barata. O governo quer, portanto, criar mecanismo para barrar a substituição de mão de obra e estimular a criação de novas vagas. O pacote, a ser lançado em evento no Palácio do Planalto, prevê, ainda, medidas para estimular microcrédito para pessoas de baixa renda, um programa para reabilitar pessoas que sofreram acidentes de trabalho e a inclusão de deficientes no mercado. O governo deve, também, liberar R$ 65 bilhões que, atualmente, estão como depósitos para que uma empresa possa recorrer de decisões na Justiça do Trabalho.
Desde 2017, a reforma trabalhista permitiu que seja apresentado um seguro como garantia, em vez do depósito em dinheiro, que compromete os limites de crédito das companhias. Mas isso não vale para processos anteriores à medida. Por isso, uma das sugestões é aplicar a mesma norma para o estoque e liberar esses recursos para as empresas. Na parte para ampliar o microcrédito, o governo contará com a parceria com o Banco do Nordeste e com fintechs. Pode ser necessário alterar a legislação para isso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia