Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de novembro de 2019.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

08/11/2019 - 16h36min. Alterada em 08/11 às 16h36min

Ouro fecha em queda, com dólar forte e alta nos rendimentos dos Treasuries

O ouro fechou em queda nesta sexta-feira (8), ainda no menor patamar em três meses, apesar da busca por segurança no mercado internacional. O metal precioso foi penalizado pelo aumento nos rendimentos dos Treasuries e pela força do dólar ante rivais.
O ouro fechou em queda nesta sexta-feira (8), ainda no menor patamar em três meses, apesar da busca por segurança no mercado internacional. O metal precioso foi penalizado pelo aumento nos rendimentos dos Treasuries e pela força do dólar ante rivais.
O ouro para dezembro fechou em baixa de 0,24%, a US$ 1.462,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). Pelo segundo dia consecutivo, o metal precioso atingiu o menor nível de fechamento desde 2 de agosto, quando estava cotado a US$ 1.452,50 a onça-troy. Na comparação semanal, o ouro registrou queda de 3,21%.
O apetite por risco registrado na quinta no exterior já havia diminuído pela manhã, mas a mudança no humor do mercado se aprofundou no início da tarde depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, negou que tenha concordado em remover tarifas impostas à China como parte da chamada "fase 1" do acordo comercial entre os dois países.
Na quinta, o diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, já tinha afirmado à Fox Business que não havia acordo para eventual retirada das tarifas e que a decisão caberia a Trump.
Apesar da maior busca por segurança, com as dúvidas sobre os desdobramentos da guerra comercial, a alta nos rendimentos dos Treasuries nos últimos dias e o fortalecimento do dólar deixaram o ouro menos atraente aos investidores. Na quinta, o retorno da T-note de 10 anos atingiu os maiores patamares desde o fim de julho e, perto do fechamento do ouro nesta sexta, o índice DXY, que mede a variação da divisa dos EUA ante uma cesta de seis rivais, subia 0,24%.
Na avaliação do vice-presidente-executivo da GoldMining, Jeff Wright, as perdas poderiam ter sido piores, mas o viés ainda é de baixa. "A próxima semana pode ser instável, e acho que o ouro voltará a testar as mínimas desta semana", analisa Wright. /Com informações da Dow Jones Newswires
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia