Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de novembro de 2019.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

08/11/2019 - 10h00min. Alterada em 08/11 às 10h25min

Dólar sobe com possível soltura de Lula e EUA e China no radar

O dólar opera em alta em meio a mau humor entre agentes financeiros com a expectativa de soltura do ex-presidente Lula, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a prisão em segunda instância antes do trânsito em julgado dos processos. Às 10h, o dólar à vista subia 0,78%, a R$ 4,1226. O dólar futuro de dezembro estava em alta de 0,38%, em R$ 4,1180.
O dólar opera em alta em meio a mau humor entre agentes financeiros com a expectativa de soltura do ex-presidente Lula, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a prisão em segunda instância antes do trânsito em julgado dos processos. Às 10h, o dólar à vista subia 0,78%, a R$ 4,1226. O dólar futuro de dezembro estava em alta de 0,38%, em R$ 4,1180.
"A proximidade do final de semana, com esquerda se movimentando dada a chance de Lula ser solto, pode justificar certa cautela", disse o operador Luis Felipe Laudisio dos Santos, da Renascença DTVM, em nota a clientes. 
Estão no radar também a possibilidade de novas saídas financeiras do país, pela proximidade do final de ano, quando se intensificam as remessas de capitais de bancos e empresas às matrizes no exterior.
Nos mercados internacionais, as bolsas em Nova Iorque viraram para o lado positivo há pouco, mas o índice do dólar seguia em alta de 0,16%, em 98,295 pontos, assim como a divisa dos EUA ante moedas emergentes ligadas a commodities. Os investidores adotam certa cautela após o diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, ter afirmado ontem não haver no momento nenhum acerto para remover "qualquer das tarifas existentes" sobre importações da China como "condição para a fase 1 do acordo". A informação ofusca uma melhora na balança comercial chinesa em outubro.
Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a produção industrial recuou na maioria dos locais pesquisados em setembro deste ano em relação a setembro do ano passado. Houve crescimento em apenas seis dos 15 locais pesquisados, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional. Os avanços ocorreram no Amazonas (16,7%), Paraná (7,4%), Rio de Janeiro (7,0%), Santa Catarina (5,2%), São Paulo (3,6%) e Goiás (1,6%). A produção do Ceará ficou estável (0,0%).
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia