Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de novembro de 2019.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

08/11/2019 - 08h45min. Alterada em 08/11 às 08h45min

Indicador Antecedente de Emprego recua 1,3 ponto em outubro, aponta FGV

Indicador Coincidente de Desemprego subiu 0,1 ponto em outubro ante setembro, para 93,0 pontos

Indicador Coincidente de Desemprego subiu 0,1 ponto em outubro ante setembro, para 93,0 pontos


MARCELO G. RIBEIRO/Arquivo/JC
O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) caiu 1,3 ponto na passagem de setembro para outubro, para 85,8 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador recuou 0,4 ponto.
O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) caiu 1,3 ponto na passagem de setembro para outubro, para 85,8 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador recuou 0,4 ponto.
"Depois de tímidos avanços nos meses anteriores, o indicador voltou ao patamar de maio, reforçando a dificuldade de se obter uma reação mais robusta no mercado de trabalho. Para os próximos meses, é possível que o indicador retorne ao caminho ascendente, mas ainda não há uma perspectiva de melhora mais expressiva", avaliou Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.
O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) subiu 0,1 ponto em outubro ante setembro, para 93,0 pontos. "A combinação da virtual estabilidade registrada em outubro e a persistência do ICD em patamar elevado reforça a percepção de que a redução da taxa de desemprego continua ocorrendo de forma lenta e gradual", completou Rodolpho Tobler.
O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado. Já o IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante, quanto maior o patamar, mais satisfatório o resultado.
O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.
No IAEmp, cinco dos sete componentes registraram recuos em outubro, com destaque para o Emprego Previsto na Indústria, que caiu 4,0 pontos.
No ICD, a ligeira alta foi influenciada por três das quatro classes de renda familiar: famílias com renda mensal até R$ 2.100.00 (+0,3 ponto), entre R$ 2.100.00 e R$ 4.800.00 (+0,2 ponto), e acima de R$ 9.600.00 (+0,5 ponto).
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia