Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Comércio Exterior

- Publicada em 02h06min, 07/11/2019. Atualizada em 03h00min, 07/11/2019.

Exportações da indústria do Rio Grande do Sul recuam 12,6% em outubro

Redução nas vendas para a Argentina contribuiu para a menor venda externa de veículos no mês

Redução nas vendas para a Argentina contribuiu para a menor venda externa de veículos no mês


CLAITON DORNELLES /JC
Com queda em 18 dos 23 segmentos que registraram algum embarque de produtos para o exterior, as exportações da indústria gaúcha, ao somarem US$ 995 milhões, caíram 12,6% em outubro na comparação com o mesmo mês de 2018. Entre os setores que assinalaram recuo, destacaram-se negativamente veículos automotores, reboques e carrocerias (-49,3%) e químicos (-30,9%). Segundo o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry, a redução nas vendas para a Argentina e a base de comparação elevada contribuíram para a menor taxa já registrada em veículos para o mês.
Com queda em 18 dos 23 segmentos que registraram algum embarque de produtos para o exterior, as exportações da indústria gaúcha, ao somarem US$ 995 milhões, caíram 12,6% em outubro na comparação com o mesmo mês de 2018. Entre os setores que assinalaram recuo, destacaram-se negativamente veículos automotores, reboques e carrocerias (-49,3%) e químicos (-30,9%). Segundo o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry, a redução nas vendas para a Argentina e a base de comparação elevada contribuíram para a menor taxa já registrada em veículos para o mês.
Ao mesmo tempo, a queda nas exportações de produtos químicos ocorreu de forma pontual entre alguns parceiros comerciais: Chile (-US$ 16 milhões), Estados Unidos (-US$ 10 milhões) e Coreia do Sul (-US$ 9 milhões), sobretudo às vendas de polímeros de etileno, propileno e estireno. No agregado, diminuíram em US$ 27 milhões.
Esse foi o sexto crescimento mensal consecutivo do setor de alimentos, o de maior participação em valor exportado (US$ 283 milhões) na pauta do Rio Grande do Sul: 27,2% em outubro. Entre os produtos deste segmento, as maiores contribuições vieram de carne de frango ( 92,8%) e suína ( 92,4%) in natura.
Nos 10 meses de 2019, as exportações industriais do Estado acumularam US$ 10,3 bilhões, registrando um pequeno avanço de 0,8% sobre o mesmo período do ano anterior.
Já nas importações, que atingiram US$ 984 milhões, a retração foi de 12,4% ante outubro do ano passado. Entre as grandes categorias econômicas, bens de consumo (-21,3%), combustíveis e lubrificantes (-68,7%) e bens intermediários (-16%) registraram queda no mês passado. Por sua vez, no acumulado de janeiro a outubro, o Rio Grande do Sul importou US$ 8,4 bilhões, recuo de 9,8% em comparação com igual período de 2018. Somente bens de capital cresceram, praticamente dobrando o valor (93,2%) no mês.
Comentários CORRIGIR TEXTO