Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Edição impressa de 07/11/2019. Alterada em 07/11 às 03h00min

Fabricação de veículos cresce 9,6% em outubro

Crise econômica levou a um recuo na produção de veículos

Crise econômica levou a um recuo na produção de veículos


/CNI/VOLKSWAGEN/DIVULGAÇÃO/JC

A produção nacional de veículos mantém o crescimento, apesar da queda nas exportações. De acordo com a Anfavea, associação que representa as montadoras, houve alta de 9,6%% em outubro na comparação com o mesmo mês de 2018. No acumulado de 2019, há um aumento de 3,6%.

No total, 2,55 milhões de unidades foram fabricadas entre janeiro e outubro. Os dados são a soma de carros de passeio, veículos comerciais leves, ônibus e caminhões.

É o mercado interno que tem garantido os bons números. Segundo a Fenabrave (associação das revendedoras), os emplacamentos acumulam alta de 8,7% neste ano. Já foram comercializados 2,1 milhões de veículos leves e pesados.

A participação de vendas diretas segue significativa. Essa modalidade, que inclui a comercialização para frotas de locadoras, representa 45,4% de todos os licenciamentos de veículos no país entre janeiro e outubro de 2019. Há cinco anos, a participação dessa modalidade de negócio, que exige grandes descontos por parte das montadoras, era de 29% sobre o total de veículos comercializados.

As exportações acumulam queda de 34,7% em 2019. A crise no mercado argentino é o principal motivo da retração. "Com a Argentina, começamos a sofrer em maio do ano passado. Neste ano, tivemos uma queda superior a 50%. A Argentina é nosso maior parceiro em termos de indústria no setor automobilístico. Então a gente entende que o governo brasileiro e o argentino têm que encontrar o caminho para, com bom senso e sem ideologias, tratar de negócios", disse o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia