Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Transportes

Edição impressa de 07/11/2019. Alterada em 06/11 às 21h28min

Uber apresenta inovações para a segurança de motoristas e clientes

Sachin Kansal destacou possibilidade de gravação de sons no app

Sachin Kansal destacou possibilidade de gravação de sons no app


/LUCIANA AITH/DIVULGAÇÃO/JC
Carlos Villela, de São Paulo
As iniciativas de segurança para motoristas e passageiros para os próximos meses foram o tema da Uber Destino 2019, evento realizado em São Paulo que trouxe as novidades da Uber para a América Latina, um dos mercados mais importantes da plataforma. Dos 4 milhões de motoristas parceiros da plataforma no mundo, são mais de 1,4 milhão de pessoas trabalhando apenas na América Latina, e, desse total, em torno de 600 mil são no Brasil.
As iniciativas de segurança para motoristas e passageiros para os próximos meses foram o tema da Uber Destino 2019, evento realizado em São Paulo que trouxe as novidades da Uber para a América Latina, um dos mercados mais importantes da plataforma. Dos 4 milhões de motoristas parceiros da plataforma no mundo, são mais de 1,4 milhão de pessoas trabalhando apenas na América Latina, e, desse total, em torno de 600 mil são no Brasil.
Uma das principais novidades apresentadas por Sachin Kansal, diretor global de produtos de segurança da Uber, é a implantação da funcionalidade de captação e gravação de áudio pelo aplicativo. O arquivo de áudio é encriptado e fica salvo na memória interna do celular, de modo que a Uber só pode ter acesso a esse arquivo caso seja encaminhado à empresa. Caso o passageiro se sinta vulnerável ou ameaçado de alguma forma, pode captar o áudio para que a plataforma possa analisar e tomar as medidas cabíveis conforme a gravidade do caso.
Notícias sobre economia são importantes para você?
Outra ação é a verificação via senha PIN, que pode ser feita pelo passageiro e pelo motorista, e com a possibilidade desta verificação ocorrer por tecnologia ultrassom, nos celulares que têm essa função disponível. A empresa também pretende trazer para o Brasil a função de escanear a carteira de identidade pelo aplicativo para permitir a opção de pagamento em dinheiro, algo já disponível no Chile.
A empresa introduz também a checagem de rota, que envia uma notificação para o motorista caso o carro fique parado por muito tempo questionando se está tudo bem. Caso se encontre em uma situação de risco, é possível dar o retorno devido à plataforma. Outras novas funcionalidades incluem alertas de atenção para ciclistas quando a viagem começa ou termina em locais de ciclovia, a verificação do motorista em tempo real via selfie para confirmação e atualização do cadastro na plataforma e a opção de motoristas desabilitarem pagamentos em dinheiro.
Marcello Azambuja, diretor do tech center da Uber em São Paulo, disse que a empresa fez uma parceria com o Serasa Experian para aprimorar a verificação dos cadastros e identidades dos passageiros, mas sem fazer consulta de crédito. Ele destaca que a capital paulista é sede do primeiro centro da Uber especializado em segurança, e que esse tema é estritamente relacionado com o aprimoramento tecnológico, como sistemas distribuídos, processamento de dados em tempo real, telemática avançada, machine learning e desenvolvimento móvel.
A colaboração da plataforma com investigações policiais também foi debatida no evento com a fala de Lourdes McLoughlin, diretora de relacionamento com autoridades policiais na América Latina. Ex-agente do FBI com experiência de atuação na investigação do ataque da embaixada estadunidense em Nairóbi, em 1998, e no atentado à bomba no Parque Olímpico de Atlanta durante as Olimpíadas de 1996, McLoughlin explicou que a plataforma tem um canal de suporte e apoio a policiais e promotores para lidar com crimes que possam ser solucionados com apoio da plataforma. Ela citou o caso de um bebê raptado de um hospital em Chihuahua, no México, que foi localizado com o apoio do motorista que transportou a sequestradora, descobriu posteriormente o crime quando se tornou assunto na cidade, avisou a plataforma e, assim, colaborou com os agentes públicos mexicanos para que a criança fosse localizada duas horas após o rapto.
Já a garantia de segurança para aumentar a participação feminina na plataforma - que, hoje, no Brasil, é de 6% - foi debatida pela presidente da Uber no Brasil, Claudia Woods. A executiva apresentou a possibilidade de mulheres motoristas, em breve, escolherem se querem ou não dirigir apenas para outras mulheres, e uma parceria com a locadora Localiza Hertz para facilitar o aluguel de carros para mulheres que querem trabalhar na plataforma.
A Uber, afirmou Woods, já investiu R$ 1,5 milhão em iniciativas junto com organizações não governamentais, como Instituto Igarapé, Instituto Patrícia Galvão e a revista digital AzMina, e vai disponibilizar mais R$ 5 milhões nos próximos três anos para renovar essas parcerias.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia