Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/11 às 17h22min

Ouro fecha em alta, com dúvidas sobre acordo comercial entre EUA e China no radar

Após três quedas consecutivas, o ouro fechou em alta nesta quarta-feira (6), com os investidores em busca de ativos mais seguros depois de surgirem possibilidades de adiamento da assinatura de um acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China.
Após três quedas consecutivas, o ouro fechou em alta nesta quarta-feira (6), com os investidores em busca de ativos mais seguros depois de surgirem possibilidades de adiamento da assinatura de um acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China.
O ouro para dezembro fechou em alta de 0,63%, a US$ 1.493,10 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
No início da tarde, a Reuters informou que o encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o mandatário chinês, Xi Jinping, para assinar o acordo comercial de "fase 1", inicialmente previsto para novembro, pode ser adiado para dezembro. A reunião entre os dois líderes ficou sem local definido depois que o governo do Chile, em meio aos protestos que emergiram no país, cancelou a cúpula países da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês) que ocorreria neste mês.
O otimismo no exterior já estava em baixa desde ontem, quando o South China Morning Post informou que Pequim quer um "sólido compromisso" de Washington com remoção de tarifas antes de assinar o acordo preliminar.
A divulgação hoje do índice de produtividade da mão de obra dos EUA, que recuou à taxa anualizada de 0,3% no terceiro trimestre ante o segundo, também esteve no radar. Foi o primeiro declínio trimestral do indicador desde o quarto trimestre de 2015.
Apesar da alta de hoje, os preços do ouro têm sido pressionados por uma demanda menor. De acordo com relatório do London Capital Group, a demanda da Índia pelo metal precioso caiu 32% entre julho e setembro, em meio à desaceleração da economia global, que afetou a renda disponível dos indianos.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia