Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de novembro de 2019.
Dia Nacional da Cultura, Dia do Cinema Brasileiro e Dia do Designer.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

05/11/2019 - 18h06min. Alterada em 05/11 às 18h06min

Petróleo sobe, com produção da Opep e negociações entre EUA e China no radar

O petróleo WTI para dezembro fechou em alta de 1,22%, a US$ 57,23 o barril, na Nymex

O petróleo WTI para dezembro fechou em alta de 1,22%, a US$ 57,23 o barril, na Nymex


AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC/JC
Os contratos futuros de petróleo fecharam em território positivo nesta terça-feira (5) pelo terceiro pregão consecutivo, em meio ao otimismo com as negociações comerciais sino-americanas e expectativas de queda na oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Os contratos futuros de petróleo fecharam em território positivo nesta terça-feira (5) pelo terceiro pregão consecutivo, em meio ao otimismo com as negociações comerciais sino-americanas e expectativas de queda na oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
O petróleo WTI para dezembro fechou em alta de 1,22%, a US$ 57,23 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para janeiro teve alta de 1,33%, a US$ 62,96 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
No início da tarde, o jornal South China Morning Post informou que Pequim quer compromissos "mais sólidos" de Washington sobre remoção de tarifas antes de fechar um acordo comercial e que, sem isso, a visita do líder chinês, Xi Jinping, aos EUA seria "politicamente difícil". A notícia, porém, não afetou os contratos futuros de petróleo, que continuaram operando com foco no otimismo comercial.
Antes, a Dow Jones Newswires havia noticiado que EUA e China consideram suspender algumas tarifas de importação para garantir a assinatura do acordo comercial de "fase 1", que está em negociação. Além disso, o Financial Times havia informado que os americanos poderão retirar tarifas que incidem sobre US$ 112 bilhões em importações chinesas.
O apetite por ativos de risco também foi apoiado pelo índice de atividade de serviços dos EUA medido pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM), que subiu a 54,7 em outubro, superando a expectativa de alta a 53,5.
No caso do petróleo, contribuiu também a declaração da Opep de que sua oferta da commodity diminuirá continuamente nos próximos cinco anos, o que tende a elevar os preços. A Opep e aliados, incluindo a Rússia, vão debater se mantêm ou aprofundam os cortes na produção combinada, atualmente em 1,2 milhão de barris por dia (bpd), durante reunião marcada para 5 de dezembro.
Na opinião do analista da DTN Dominick Chirichella, o mercado do petróleo está começando a se tornar um pouco mais otimista, "com uma combinação de condições econômicas melhores, diminuição da contagem de plataformas de perfuração nos EUA e rumores de que a Opep aprofundará seu corte de produção na reunião de dezembro".
Para os analistas do ING Warren Patterson e Wenyu Yao, no entanto, a alta nos preços do petróleo "deve durar pouco", devido ao tamanho do superávit que é esperado para a produção da commodity energética no primeiro semestre de 2020. "O risco para essa visão é se a Opep+ surpreender o mercado em dezembro anunciando cortes ainda mais profundos do que o esperado para 2020", ponderam os especialistas.
Nesta quarta-feira, os investidores acompanharão a divulgação de dados do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) sobre estoques de petróleo nos EUA na semana encerrada em 1º de novembro. Logo mais, às 18h30, são divulgadas as estimativas do American Petroleum Institute (API). / Com informações da Dow Jones Newswires
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia