Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Edição impressa de 06/11/2019. Alterada em 05/11 às 21h18min

Copom espera avanço da economia no 3º trimestre

Comitê sinalizou novo corte da taxa Selic na reunião em dezembro

Comitê sinalizou novo corte da taxa Selic na reunião em dezembro


/MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central (BC) estima que a economia tenha apresentado crescimento no terceiro trimestre e possa acelerar nos períodos seguintes, segundo ata da última reunião do órgão, divulgada nesta terça-feira.
O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central (BC) estima que a economia tenha apresentado crescimento no terceiro trimestre e possa acelerar nos períodos seguintes, segundo ata da última reunião do órgão, divulgada nesta terça-feira.
No último dia 30, o comitê reduziu a taxa básica de juros, a Selic, para 5% ao ano, com corte de 0,5 ponto percentual. Para o Copom, o ritmo de crescimento da economia, excluídos efeitos de estímulos temporários, será gradual. "O comitê estima que o Produto Interno Bruto (PIB) deve ter apresentado crescimento no terceiro trimestre. Os trimestres seguintes devem apresentar alguma aceleração, que deve ser reforçada pelos estímulos decorrentes da liberação de recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e PIS-Pasep (Programa de Integração Social/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) - com impacto mais concentrado no último trimestre de 2019", explicou a ata.
Notícias sobre economia são importantes para você?
O resultado do PIB do terceiro trimestre será divulgado no dia 3 de dezembro pelo IBGE.
Na ata, o Copom destacou a "relevância da aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso Nacional", mas reforçou a "importância da continuidade do processo de reformas e ajustes que gerem sustentabilidade da trajetória fiscal".
"Ao reduzirem incertezas fundamentais sobre a economia brasileira, essas reformas tendem a trabalhar no mesmo sentido da política monetária e, portanto, estimular o investimento privado. Esse potencial efeito expansionista deve contrabalançar impactos de ajustes fiscais correntes sobre a atividade econômica, além de mitigar (suavizar) os riscos de episódios de forte elevação de prêmios de risco (retorno adicional cobrado por investidores para aceitar correr maior grau de risco)", disse.
"O Copom reiterou o entendimento de que uma aceleração do ritmo de retomada da economia para patamares mais robustos também dependerá de outras iniciativas e reformas microeconômicas que visam ao aumento de produtividade, ganhos de eficiência, maior flexibilidade da economia e melhoria do ambiente de negócios", acrescentou.
Para o Copom, as projeções de inflação estão em "níveis confortáveis". "As estimativas e projeções de curto prazo indicam que a inflação acumulada em 12 meses ainda deve ter recuado em outubro, para níveis ao redor das mínimas observadas durante o regime de metas para a inflação, voltando a se elevar ao longo dos últimos meses do ano", projetou o comitê.
Essa trajetória de curto prazo, acrescentou, reflete uma inflação abaixo do esperado pelo Copom em setembro e revisão, também para baixo, da projeção referente ao mês de outubro.
Na ata, o comitê sinalizou que deve voltar a cortar a taxa Selic em 0,5 ponto percentual em dezembro. "O Copom debateu, então, a conveniência de oferecer alguma perspectiva sobre possíveis cenários para a política monetária. Decidiu comunicar sua avaliação de que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude, no grau de estímulo monetário", afirmou.
Sobre novos ajustes, a partir de 2020, "os membros do Copom decidiram reforçar que o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela em eventuais novos ajustes no grau de estímulo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia