Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Edição impressa de 06/11/2019. Alterada em 06/11 às 03h00min

Investimento cresce 1,4% de agosto para setembro

O investimento cresceu 1,4% de setembro para agosto, segundo o Indicador Ipea Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). Em comparação com igual mês do ano passado, houve expansão de 7,5%. No terceiro trimestre, a alta foi de 7,5%, ante o período de 2018.
O investimento cresceu 1,4% de setembro para agosto, segundo o Indicador Ipea Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). Em comparação com igual mês do ano passado, houve expansão de 7,5%. No terceiro trimestre, a alta foi de 7,5%, ante o período de 2018.
Em 12 meses até setembro e no acumulado do ano, o investimento subiu 3%. "Esse crescimento elevado no período deveu-se, em parte, às importações de plataforma de petróleo. Excluindo o efeito das plataformas, o crescimento no terceiro trimestre teria sido de 1% na margem e de 1,3% na comparação interanual", informou o Ipea.
A FBCF é composta pelos segmentos de máquinas e equipamentos, construção civil e outros ativos fixos. Em setembro, o investimento em máquinas e equipamentos cresceu 1,6% frente a agosto, sendo que houve alta de 40,5% nos componentes importados e queda de 18,5% nos nacionais. Enquanto os investimentos na construção civil evoluíram 1,2% em relação ao mês anterior, o segmento "outros ativos fixos" apresentou recuo de 3%.
O desempenho segue positivo em relação a setembro de 2018. A construção civil avançou 3,8% e "outros ativos fixos" expandiram 2,6%. Máquinas e equipamentos cresceu 14,3%, influenciado pelas importações de plataformas de petróleo. Parte deste resultado tem relação com o forte aumento de 130% das importações de bens de capital ante setembro de 2018.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia